quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Poema a nada: Nadando no nada minado

Lamento, leitores, hoje estou cansado demais para fazer algo mais que uma postagem de nada. Por isso, aí vai minha postagem cheia de nada - meio preguiçosa, meio esvaziada -, ironizando a velha temática de escrever sobre o nada. Esse poema, ainda inédito, surgiu de um desafio do poeta valenciano Felipe Souza - ele sugeriu o uso do tema nada, então o nada (ou nada ou de nada) escrevi. Poema pra quem, como na canção da Legião Urbana, está de saco cheio de se sentir vazio. Esse poema é curtido como aquele "curti" que um estranho amigo deposita em seu status no facebook sem te ler muito menos te escrever. Esse poema é um não poema, que abraça o sorriso pós-moderno com lágrimas de insólito sarcasmo. Esse poema é nada nadando em nada. O título do poema que hoje posto é inspirado no nome de uma canção dos Engenheiros do Hawaí: "Dançando no campo minado". Por sinal, meu Vasco jogou nada no jogo de ontem e talvez esse nada torcido também tenha motivado a publicação desse poema de nada imediato. Pra tudo, há um nada em algum lugar nenhum (reparem que os períodos da explicação dessa famigerada postagem também nada tem a ver uns com os outros, funcionando quase isolados nessa justificativa sem porquês pra se publicar o nada-poema-sobre-nada que ilustra o vazio com palavras vazias cheias de nadas sentidos):


Nadando no nada minado


Nada falo sobre nada
porque o nada é assunto comum
nos dias nada a ver de hoje.
Estou cheio de nada!
Descrevê-lo só me faz
preenchê-lo
desse tudo que não há,
por isso nada mais hoje escrevo:
estou vazio.
De nada
e até mais.  

6 comentários:

  1. HUhauhauhaa brilhante uhauhauhauhauhahau! O poema é ótimo e o comentário que o antecede fodástico!
    ( Tinha digitado algo errado pra variar, por isso deletei o primeiro comentário, rs.)

    ResponderExcluir
  2. Que nada cheio de tudo, faz o tudo parecer um grande vazio de nada. As explicações nada-vazias... o poema intrincado em nada... Como extrais tão bem a poesia do nada...!

    ResponderExcluir
  3. Ah me lembrou outro trecho clássico de Engenheiros " Na verdade nada é uma palavras esperando tradução"

    ResponderExcluir
  4. *palavra ... hoje meu cérebro tá mesmo dando ruim rs

    ResponderExcluir
  5. Quis falar sério falando de nada de um modo engraçado - e tudo isso deu em nada rs

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkk, adorei a introdução, o poema. Carlos, o nada na Filosofia nada na especulação de tudo o que existe, afinal de contas, segundo Deus, tudo foi criado do NADA. Ô nada PLENO viu.

    ResponderExcluir