terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Aluno-poetas que brilham 2011: O arcadismo teen vence Concurso de Poesias

Hoje o sol nos brindou com raios líricos. Ontem, tive o privilégio de participar da Solenidade de Premiação do Concurso de Poesias da ALAP 2011, na Lapa, Rio de Janeiro/RJ, e receber os diplomas dos meus alunos premiados na Categoria Juvenil (somados ao meu no Adulto - mas isso é assunto da postagem de amanhã). Posto abaixo os poemas premiados (desta vez, como o resultado foi um pouco em cima da hora, não foi possível levar os jovens poetas), produzidos nos Projetos "Girassóis de Van Gogh" e 'Arcadismo Teen", realizados durante as minhas aulas de Português para os 8.ºs anos da E. M. Alcino Francisco da Silva, em Teresópolis/RJ, neste ano letivo. Fico mais uma vez feliz em dar minha contribuição à ideia bukowskiana de colocar um poeta em cada esquina das cidades. Com vocês, o Arcadismo Teen dos jovens talentos teresopolitanos (amanhã posto o meu poema):


Elegia

Primeiro de março de 1992,
Mais uma vida que se inicia...
Ele era uma criança especial,
Todo mundo já sabia.

Durante sua infância,
Cheio de sonhos vivia.
Durante sua adolescência,
Um homem dentro dele já existia.

Durante sua juventude,
Um garoto cheio de rebeldia,
Que, mesmo sensível,
De durão se fazia.

Vinte e um de julho de 2011,
Um dia comum que nascia
E quem poderia imaginar
Que uma vida cheia de sonhos
De repente terminaria?...
Poema de Mayara da Silva Jorge, premiado com Menção Honrosa no Concurso de Poesias da ALAP 2011.

O suspiro

Penso e sinto
que estou correndo
na grama molhada,
o vento soprando
os meus cabelos,
o pássaros sussurrando
o som da liberdade.
E vem a triste lembrança
que nada é realidade.
Na sala estou querendo voar,
e, na cabeça, o pensamento:
a felicidade está lá fora,
basta procurar.
Penso e sinto,
estou com raiva!
Me disseram que a raiva
consome a alma,
então estou sumindo
pouco a pouco
e nada de mim restará.
Poema de Amanda Cristina, premiado com Menção Honrosa no Concurso de Poesias da ALAP 2011.

Eu imagino

Eu imagino o dia ensolarado,
como se estivesse num piquenique
com os colegas ao meu lado.

Imagino estar numa floresta
com os pássaros cantando ao meu ouvido,
aproveitando o dia sem pressa...
ah! como eu queria estar me divertindo!

Acordei com ânimo e vontade
de ir ao passeio com a turma da escola,
feliz e com liberdade...
Sem ônibus, o passeio nem rola.

Pretendemos ir outro dia
para o dia aproveitar
com vontade e harmonia
sem ter hora pra voltar!
Poema de Jaqueline Maria, premiado com Menção Especial no Concurso de Poesias da ALAP 2011.

Às vezes

Às vezes, a vida é assim
Uma estrada escura e fria
Onde a paisagem é como foto antiga
E suas flores não trazem alegria.

Às vezes, estou nessa estrada
Cabisbaixo e sem direção
Procurando um girassol
Para brilhar no meu coração

Lá nunca há paz
Lá nunca há esperança
Pois nessa estrada deserta
Só Deus é a minha confiança

Nessa estrada de espinhos
Procuro descanso
Nos momentos frios da vida
Prefiro ser como um mar manso

Mas existe uma fonte de esperança
Que me faz pensar que não é o fim
Pois eu sei que há um girassol
Que sempre irá brilhar pra mim!
Poema de Geovane Alves dos Reis, premiado com 3.º Lugar (Medalha de Bronze), no Concurso de Poesias da ALAP 2011.

O que é bom

Aqui dentro dessa sala
me imagino lá fora,
fico querendo sair
e mais rápido ir embora.

Sempre ouço que é bom
estudar e ir pra escola
e não critico quem diz isso,
mas prefiro a fauna e a flora.

Não sou nenhum poeta
pra criar obra de arte;
eu só gosto de rimar,
eu só faço a minha parte.

Não sou nenhum árcade,
só prefiro a natureza,
desfrutar seus benefícios
e preservar sua beleza.
Poema de Luiz Gustavo Marques da Silva, premiado com 2.º Lugar (Medalha de Prata), no Concurso de Poesias da ALAP 2011.

3 comentários:

  1. Poxa Carlos, muito bom essas suas crianças, nossa que alívio sinto na alma por ver que eles estão em constante ebulição criativa.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir