quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Papos de Poeta: A minha primeira vez



Hoje é Dia do Poeta! O céu cinza ganha labaredas de fogos invisíveis e nascem melancólicos sorrisos de crianças nos corpos de adultos loucos. Hoje é meu dia e comemoro com bolos de ilusão, sonhos e outras realidades encantadas, sem esquecer o corpo cansado que chega após a tarefa árdua de sobreviver por mais um dia. Canto em versos doces as belezas da areia salgada, lembro aos maus eles PASSARÃO eu passarinho, conforme os ensinamentos de Quintana, e todas as pedras no caminho de Drummond agora são poemas que animam as retinas tão fatigadas. 
Em comemoração a esse dia tão especial, posto hoje um metapoema, ou seja, um poema que fala de poema. “A primeira vez”, publicado no meu quarto livro “Eu e outras províncias” (2008), fala do primeiro momento em que a poesia tocou meu corpo e a relação (mais que) sexual que o autor tem com seus eus líricos, suas Histórias e histórias, suas obras, suas inspirações e transpirações. Espero que gostem e abracem a campanha que lanço agora: “Adotem um poeta, salvem o poema, sejam poetas, sejam livres!”

A primeira vez

   Ela estava nua e apenas me observava:
      a timidez de meus passos,
      a hesitação
           excitação em tocá-la,
                                          as mãos trêmulas
   e o gosto doce de medo em meus lábios...
   Ela não se aproximava, apenas esperava,
   estava na minha escuridão
   e dançava com claridade em minha mente
                                                                  absorta
                                                                  absurdo
                                                                         divino
                                                                       profano.
                                                                              No fim
                                                                      da valsa 
                                                             tumul-                                                                                

                                                                    tuada
                                                                    toada
                                                                        de meus
                                                                 sentidos,
                                                                            me percebi tão nu
                                                            quanto ela.
                                                                  A vela queimava
                                                                     o receio
                                                              em seu seio
                                                                materno
                                                                matreiro
                                                              amante.
Mãe de todas as musas, guardei na Mnemósine
 cada momento daquele delírio clássico e vadio:
               minha Euterpe moderna
                                         concreta
                                                    transcedental.
Pretérito in perfeito, ela era minha iniciação marginal
               um vício sacramentado,
                uma arcádia urbana,
                um romantismo bandido,
               um realismo sonhador,
            Par-
            nasiano desejo, ela era minha noite perfeita
                                                 em rotação com o sol
                perfumada de vertigem
                                                  (Meus olhos
                  erotizados pelos dela não viam defeitos).
            Sim-
            bolista imediato, eu queria apenas o seu interior
                                                                          inteiro
                                                                           assim
(Durma musa morena loira ruiva negra índia mulata
Durma duna dona durma em meus braços
                                 em mim)...
            ... e acordei confuso
             me achando sozinho, com saudade do frenesi anterior
                     quando percebi que ao meu lado a poesia dormia
              ronronando versos de calor

            - Me levantei, ela acordou...

2 comentários: