terça-feira, 27 de setembro de 2011

Conto de ancião boêmio e solitário: "In extremis"


Como hoje, dia 27, comemoramos também o Dia do Ancião, posto o meu miniconto dedicado a todos anciões boêmios e solitários. 
conto “In extremis” tem seu título inspirado em um dos melhores poemas de Olavo Bilac e foi publicado no meu sexto livro “Diários de Solidão”. Dedicado a Charles Bukowski e a todos os grandes anciões boêmios da literatura do mundo:


In extremis

            - Eu te amo, Ana - diz a voz enrugada do ex-boêmio.
            E a lápide lhe responde: “Aqui jaz Maria, a prostituta de vários nomes”.
            Um vento fantasma sopra no rosto do ex-jovem como um beijo perdido na esquina da perdição.


Nenhum comentário:

Postar um comentário