quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Velhos poemas juvenis: O rouxinol, a rosa, os espinhos e o Wilde em mim


Hoje, dia 30 de novembro de 2011, marca o 111.º Aniversário de Morte do genial escritor irlandês Oscar Wilde, autor constante nas minhas memórias de leitura e grande inspirador de minhas primeiras incursões poéticas. Minha história poética com Wilde iniciou-se em 1988, quando minha tia Maria, sabendo de meus vícios por leituras literárias, passou a me ceder os livros de uma coleção chamada "Biblioteca de Ouro da Literatura Universal". As obras, de autores clássicos da Literatura Mundial, vinham a preço promocional junto da  revista de fofocas "Minha", que minha tia fanaticamente colecionava. Ela colecionava boatos de artistas e eu ganhava de brinde as obras primas dos maiores escritores mundiais (Sófocles, Shakespeare, Dumas, Kafka, Machado de Assis e muitos outros). Como eu tinha 9 anos, lia com sutil desprezo ignorante as adultas obras que minha tia Maria me cedia com tanto carinho (às vezes só fingia que lia pra não deixá-la chateada; vindo realmente a reler as obras muito tempo depois, então dando a elas – e ao nobre ato de minha tia - seu real valor). Quase todas essas obras caíram no tédio parvo da infância ingênua e escoaram vazias na memória de minhas primeiras leituras infantis pra só se tornarem frutos de fascinação muito tempo depois. Como eu disse, quase todas...
O livro n.º 17 da coleção, intitulado “Contos”, de Oscar Wilde, reservou surpresas aos meus olhos de criança: lamentei e, ao mesmo tempo, me emocionei com os atos nobres do “Príncipe feliz”, chorei com o “Gigante Egoísta” e algum lirismo nasceu em mim depois que li, pela primeira vez, a obra-prima “O rouxinol e a rosa”. Sofri cada segundo da dor do rouxinol que cantava desesperadamente e fincava em seu peito os espinhos da rosa congelada para que esta ficasse vermelha e, assim, o Estudante conseguisse a rosa vermelha sonhada para a conquista da mulher amada. Fiquei ferido de mortal beleza diante do sacrifício do pássaro para a realização (vã, pois o Estudante, ignorante de tal amor sublime e nervoso com a recusa da pessoa amada, joga fora a rara rosa vermelha que custara a vida do rouxinol) do amor mortal. 
Foi ali que percebi o difícil ofício do artista, sublimando a (e até morrendo pela) dor da criação, eu tinha 10 anos (a coleção já estava no seu segundo ano) e muita poesia em minhas mãos, dentro daquele conto de Wilde. Desesperado, sem saber o que fazer com tamanha arte, o coração explodindo em espinhos poéticos, chorei sozinho, sem saber nem querer saber o porquê. E, a partir desse livro de Wilde, a literatura passou a me fazer mais sentido e comecei a entender que a leitura das obras me exigia muito mais que pequenas olhadelas distraídas para as palavras que tais livros continham. Wilde e seu rouxinol cego pelo amor contaminaram meu corpo de poesia e os versos foram gestando dentro de mim. O parto de tal gravidez demoraria quase 5 anos pra realmente se realizar (a gestação lírica é muito mais lenta – e, ao mesmo tempo, mais marcante e infinita – que a mortal).
Atualmente tenho 17 anos de escrita poética e aqueles espinhos no rouxinol ainda ferem minha poesia. Por isso, comemoro hoje o 111.º Aniversário de Morte de Oscar Wilde, porque este escritor ainda vive em mim. E é a esse Wilde eterno em mim que dedico esse meu velho poema juvenil, publicado em meu segundo livro “Promessas Desfeitas” (1997), em poética-ingênua-releitura-homenagem à primeira obra que realmente cativou lirismo em meus olhos perdidos de criança. Para ser lido ao som de “O rouxinol e a rosa”, do CD “Os grãos”, dos Paralamas do Sucesso – canção também inspirada no clássico conto oscarwildeano:

Uma rosa, um pássaro e um sorriso

No jardim nasceu uma rosa
Cuja beleza quase suprema
Apaixonou um pássaro
Cujo caminho seguia errante.
E a paixão imediata da pobre ave
Derrubou sua razão (que já era pouca)
Fazendo o tolo atirar-se, numa investida débil,
Sobre os espinhos ocultos da beleza
Daquela flor.

No coração, os espinhos se fincaram
E o pássaro só teve tempo do último canto
Feito de pranto, prazer e encanto
Misturado a um ar fúnebre e sublime
E apesar de seu triste destino
A ave sorria.
Talvez fosse um sorriso de amor...
Talvez fosse um sorriso sem razão...    

3 comentários:

  1. Nossa, Professor-Poeta! Você fez a tristeza ficar tão sublime em seu texto. Lindo! Pensei no aluno da Vívia, Jaderson (?!). Muito novo pra tanta dor.

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, poucas coisas na vida me deixam sem palavras, acredite, acredite......... Acho que meu programa de férias, começou nesse texto e nesse poema.

    ResponderExcluir
  3. Lindo! Esse rouxinol... esse rouxinol rs

    ResponderExcluir