quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Poemas mortais: Dia dos Finados


Hoje, no Dia dos Finados, relembro um poema meu homônimo ao feriado. Apesar de ter sido publicado em meu quarto livro “O último adeus (ou O primeiro pra sempre)” (2004), o poema é bem anterior ao ano de publicação do livro. Começa melancólico, reflexivo e termina inusitadamente irônico. Questiona essa não-vida presente em nossas vidas no Dia dos Finados:

Dia dos finados

Ajoelhados a um sentimento fúnebre
Os vivos abraçam suas causas mortas
Suas próprias mortes...
É dia dos finados,
É festa no céu,
É chuva na terra.
As lágrimas molham o solo,
Brotam as sementes,
Apagam os sorrisos
E cultivam os sentimentos esquecidos
Os sentidos mortos...
Sentimentos jogados pro céu,
Sentimentos que tentam a tentação do céu,
Enquanto a chuva continua sua inútil tentativas
De apagar as chamas que se alimentam
Dos corpos fragilizados,
Dos ossos fraturados
Desse sentimento inexato chamado Compaixão...
É dia dos finados:
Os mortos abraçam uma nova vida,
Enquanto os vivos agarram a morte...
É dia dos finados!
A morte faz aniversário!
Parabéns...!?

Um comentário:

  1. Sempre chove no dia de finados, talvez seja o céu chorando... Gostei do teu espaço!

    ResponderExcluir