domingo, 22 de junho de 2014

Nasceu há 10 anos atrás: Pensamentos de um estudante de Letras

Alguns dizem que educação vem de berço. Eu complemento: educação vem de berço se entendermos como berço não o status social e sim aqueles que balançam o berço, ou seja, da harmonia (ou ausência de harmonia, nos casos complexos) do ambiente familiar que nos cerca. Uma das mãos que balançou meu berço faz aniversário hoje: é minha madrinha, minha tia Celeste Cicchelli. Foi ela que me embalou com poesia, foi ela que iniciou minha crença na área educacional, é ela em quem penso pra não desistir deste blog, pra não desistir da poesia, pra fazer melhor depois de uma aula mal sucedida, é ela que, mesmo distante de mim, mantém a vida próxima de mim e, consequentemente, torna-se a madrinha desta postagem de hoje.
Hoje compartilho com os amigos leitores uma crônica que eu escrevi há muito tempo atrás, quando eu, já poeta, ainda era apenas um operário numa fábrica de papel e estudante de Letras na UGB, de Barra do Piraí/RJ (quem também me fez lembrar daqueles saudosos momentos foi a amiga Luciana Santos, que publicou ontem uma foto daquela época). A crônica foi escrita em 2004 e ganhou o 1.º Lugar do IV Concurso Literário "Cleber Onias Guimarães" do Conselho Comunitário de São Paulo/SP, na Categoria Crônica Nacional Adulto (de 19 anos pra cima). Claro que, após tanto tempo, releio o texto e me questiono sobre alguns pontos de vista (a forma como generalizei alguns professores como autoritários, etc, fruto de inexperiência prática [e de algumas experiências traumatizantes como aluno] e alta influência dos conhecimentos apenas acadêmicos, sem senso muito prático), mas preferi manter a crônica original, mais como documento histórico da minha trajetória, cujo caminho se mantém o mesmo, com algumas curvas dadas pela experiência dentro e fora da sala de aula.
A razão de eu, na época, tão jovem, fazer uma crônica pensando nos rumos da educação tem como madrinha a minha maior orientadora educacional e lírica, a professora mais que fodástica Tia Celeste, que ainda embala meu berço; apesar de minha idade adulta, perto dela ainda sou uma criança. Outro fator que influenciou o desenvolvimento da crônica, como sempre, foi a música – ouvi muitas vezes a canção “Felicidade”, de Lupicínio Rodrigues, na interpretação de Rita Lee. Isso, somado a uma oficina poética que fiz, a convite da professora Selma Monteiro Pereira (outra grande incentivadora da minha poesia e da busca pelo ideal na Educação brasileira) com os 6.ºs anos do Pólo Agrícola de Chacrinha, bairro rural de Valença/RJ (era uma das etapas do Concurso “Escrevendo o futuro”, do banco Itaú, hoje reformulado e transformado na Olimpíada de Língua Portuguesa do Governo Federal). O aluno que Selma e eu escolhemos, após minha oficina poética, passou para a fase Estadual e isso me marcou muito na época.
Assim, aí vai a minha crônica, premiada em 2004, “Pensamentos de um estudante de Letras”, em homenagem à aniversariante, minha madrinha Celeste Cicchelli, a professora Selma, aos meus colegas do saudoso Curso de Letras da UGB e a todos que, como o eu lírico de Lupicínio Rodrigues,  ainda voam quando começam a pensar.

Pensamentos de um estudante de Letras

“O pensamento parece uma coisa à toa,
Mas como é que a gente voa quando começa a pensar”
Lupicínio Rodrigues

            Pensei na Educação brasileira. Pensei em como seria como professor (pensei assim mesmo, repetindo os como, inicialmente, formando mal as frases – os primeiros pensamentos são inconscientemente pensados, mal pesados; exercitando a gente se acostuma e equilibra a razão). Pensei em muita coisa, pensei tanto que comecei a voar.
      E pensei nas decorebas, na autoridade autoritariamente pedante dos professores: quase caí. Como aluno nesses pensamentos, nessa sala de aula pensada, percebi que ninguém pensa nada, nem mesmo o professor. Repetições, repetições, repetições alienadas.
          Pensei diferente (sei que o correto é diferentemente, mas diferente é diferente, por que todo mundo igual?). Pensei em escolas diferentes: todos pensando, todos voando – alunos e professores. O aluno aprendendo com o aluno, o professor aprendendo com o professor, o professor aprendendo com o aluno, o aluno voando, brincando de professor. E todos debatendo, todos pensando.
          Há um mês atrás, participei de uma oficina de poesia num colégio da zona rural de minha cidade. Há dez anos escrevo poesias, há pouco tempo aprendi a pensá-las, pesá-las, ou melhor, torná-las leves, mais leves que o ar. Um aluno me perguntou o que era poesia. Não respondi. Perguntei à turma o que eles pensavam que era poesia. E respostas vinham, os alunos mexiam com a cuca, abriam as asas. Eu via asas, eu via poesia em cada resposta: um Drummond precoce ali, um João Cabral de Melo Neto acolá.
       Depois me falaram da dificuldade de encontrar a poesia (em termos técnicos, entre nós, futuros professores, eles sentiam dificuldades em abstrair). Levei-os para o pátio, para o lado de fora da sala de aula. Havia uma paisagem bonita, árcade, asperamente árcade (devido ao ambiente bucólico de miséria e pobreza que cerca aquela região). Perguntei a eles o que viam. Um dizia: “ Os morros” , o outro: “ As pedras”, e foram enumerando os elementos da natureza concretamente, tão secos quanto o sol que nos aquecia. Pedi para que observassem mais atentamente, vissem os detalhes, sentissem, respirassem, pensassem tudo que viam. Um descobria uma árvore solitária, o outro comparava os matos com o cabelo do colega Diego e cada um encontrava sua paisagem íntima. Novamente eu via asas, aprendi com eles a (re) pensar poesia. Poesia era cada vôo que eles davam, cada passeio de pensamento que eles me mostravam.
           E como a gente voa quando começa a pensar. Estava na sala de aula pensando em pensar e quase que não volto de tanto voar...



Nenhum comentário:

Postar um comentário