sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Diário de um fã-nático solitário: tudo por um show do Biquíni Cavadão


18 de agosto
05:45 – Arrumo a mochila e me preparo para um dia longo: de casa pra escola, da escola em Teresópolis pra viagem a Valença, de Valença a Ipíabas, Ipíabas com Biquíni Cavadão, tudo por um show!
06:33 – Carona pra escola, a manhã começa fria, mas promissora, “só quem sonha acordado vê o sol nascer”.
07:20  às 10:40– Entrando na sala pra dar aula – Assunto: Arcadismo. Associo a música “Descivilização” às estéticas árcades. Informo aos alunos que faltarei amanhã (direção já está ciente), pois tenho horas-aula sobrando na casa e usarei pra ir ao show do Biquíni Cavadão, banda-assunto desta aula. “Yeah, o professor é do rock! “ – os olhos dos alunos dizem. Aviso que amanhã eles não ficarão à toa – deixei atividade-trabalho com canção da Paula Fernandes valendo ponto. “Ah, o professor é do rock, mas não perdoa!” – os olhos deles sabem que não sou tão irresponsável assim.
11:00 – Ganho carona pra rodoviária; estou com sorte.
12:00 às 14:05 – Dentro do ônibus de Teresópolis para o Rio de Janeiro. No meio da viagem, um engarrafamento sonolento me influencia um breve cochilo. Acordo na rodoviária, o mp3 ainda ligado toca “Mesmo assim”, do Biquíni. Meu vizinho de viagem é um senhor de meia-idade, que se despede me desejando “Boa sorte!”. Ai, ai, será que falo acordado sobre meus desejos quando estou dormindo? Por 5 minutos, perco o 14:00 para Valença. O jeito é esperar o próximo.
15:15 às 18:45 – Dentro do ônibus do Rio de Janeiro para Valença. Durante a viagem, meu irmão me liga e me informa que a van que sairia de Valença para o show do Biquíni Cavadão em Ipíabas foi cancelada. Ai, ai. Logo depois, o irmão da Ju me informa que também não iria. Ai, ai, ai. No mp3, toca “Impossível”. Impossível eu voltar atrás: digo pra mim mesmo que vou pro show de qualquer jeito!
18:45 às 22:45 – Em Valença, dou uma pausa pra recarregar as baterias do celular, da máquina fotográfica e as minhas. Como diria um vizinho do bar do Tio Jorge, “vamo que vamo”. Visito a Ju, passeio com o cão labrador Ramone (ator de meu ciple-conto “Falsa expectativa”, parto para a rodoviária: de Valença para Barra do Piraí, de Barra do Piraí pra Ipíabas, estou sozinho, mas estou comigo, “não quero me desapontar”, ah! Cheguei em Ipíabas!
22:45 às 0:40 – Assisto ao show de uma banda local (bem razoável os caras, ainda mais prejudicados pela aparelhagem de som irregular), cumprimento alguns conhecidos (morei, trabalhei e fiz faculdade em Barra do Piraí há alguns ‘séculos’ atrás), Pinheiro e sua esposa, ambos de Valença, passam por mim. Ele diz: “Não avisei que te encontraria?”, rs, não estou tão sozinho assim; continuo comigo e agora com eles. Vou para a frente do palco principal. O apresentador anuncia que, dentro de instantes, chegaria ao palco o Biquíni Cavadão!
18 para 19 de agosto
0:40 até altas horas da madrugada (ou o tempo-momento de uma eternidade em meus olhos fascinados) –  Com vocês, Biquíiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiniiiiiii CavadÃO! A banda faz um show memorável, intercalando músicas novas (“É dia de comemorar” e outra, composta com o vocalista do Fresno) e muitos sucessos (“Em algum lugar do tempo”, “Vento, ventania”, “No mundo da lua”, “Sexta-feira”, “Tédio”, “Timidez”, “Zé ninguém”, etc). Plateia vibra com o show, pulo, canto, ah!eu estou vivo! Vivo, suado, fascinado. Tudo vale a pena quando a alma e o show do Biquíni Cavadão não são pequenos! Pinheiro registra fotos minhas durante o show; hipnotizado com o espetáculo, só percebi o que ele fazia após muitos flashes. Fim de show, vou ao camarim, tieto o vocalista Bruno Gouveia, quase esqueço minha máquina digital lá, fã-nático completo!
19 de agosto pleno
Altas horas da madrugada até 05:50 – Mofando na rodoviária pra pegar o ônibus pra voltar a Valença; não lamento, o sorriso estampado no rosto. Cada último show do Biquíni Cavadão parece o primeiro. O sol ri no horizonte... Amanhece! 


4 comentários:

  1. Nooossa! Adorei a narrativa!
    Viajei c/ vc, pelo menos na imaginação!

    ResponderExcluir
  2. É o espetáculo do Biquíni Cavadão que guia minha escrita fã-nática! Valeu pela companhia nessa viagem, Geisi!

    ResponderExcluir
  3. Demais cara!!!! O show realmente foi 10! falei que te acharia no show e ia tirar uma foto sua lá! rsrsr Estou te mandando as fotos agora. Promessa cumprida!! Acho que vc só cometeu dois pecados nesta viagem toda. Primeiro que podia ter me ligado, deixado scrap na net, mandado sinal de fumaça, e teria ido comigo e com minha esposa de carona pra Ipiabas, e o segundo pecado é que podia ter pedido pra esperar e voltava comigo de carro pra casa! rsrsr Mas tudo bem! Fica pro próximo show! De quem será?

    ResponderExcluir
  4. Narrativa extraordinária da epopeia de um fã-nático poeta-professor para estar com seus ídolos. Adorei o texto e a energia do poeta.

    ResponderExcluir