quarta-feira, 9 de julho de 2014

Cem Poemetos de Solidão: Poemeto LXXV

LXXV

A justiça é mesmo cega e mal administrada! Assassino convicto, lancei, em 1981, a Crônica de uma Morte Anunciada. Crime sem castigo: vários civis desarmados, pedindo autógrafos do livro, mas nenhum homem com distintivo pra levar o criminoso algemado ao inquérito do assassinato confessado. De que adianta tanta veracidade na fantasia se a polícia nunca leva a sério o meu instinto criativo homicida? Pra que serve um crime planejado com a perícia da imaginação se nenhum leitor investigador me leva pra fazer uma visita imaginária em sua prisão?


Nenhum comentário:

Postar um comentário