quarta-feira, 22 de maio de 2013

Aniversário se comemora com rock, metal e MPB: A Festa do Sarau Solidões Coletivas In Bar 13


Devido a um bug do blogger, eles demoraram, mas finalmente chegaram ao blog (já estavam há tempos no youtube e levei uma coça de informatiquês pra colocá-los aqui pra vocês): os vídeos do “Sarau Solidões Coletivas In Bar 13: Astronautas de mármore, donzelas metállicas, passagens pra Saigon, armas químicas e poemas”, em tributo ao rock gaúcho, ao heavy metal e a Emílio Santiago, comemorando 1 ano do Sarau Solidões Coletivas In Bar oficial!
O evento aconteceu na noite de 20 de abril, na Boite Mr. Night, em Valença/RJ, e contou com um grande público, muita música, poesia e diversão!
Abaixo posto os vídeos do evento para os amigos leitores verem (ou relembrarem, caso tenham ido nessa festa lírica) o que rolou na Festa do Sarau Solidões Coletivas:


Neste primeiro vídeo do Sarau Solidões Coletivas In Bar 13, declamei um poema ac/dciano com o músico Breno Meirelles; há o stand-up comedy retrospectiva de Ronaldo Brechane; Wagner Monteiro, Fred Ielpo, Breno Meirelles e Davi Barros interpretando clássicos do rock nacional; eu declamando “Extraño”, letra de música de Nenhum de Nós; a encenação do Grupo Amor e Arte, fazendo um jogral com o poema “Rosinha de Valença”, de Déia Sineiro; o retorno de Erick Ramos; o poema “Promessas desfeitas”, declamado por mim; “Segunda-feira blues”, dos Engenheiros do Hawaii, interpretado por Juliana Guida Maia.



Neste segundo vídeo do Sarau Solidões Coletivas In Bar 13, declamei a letra de música “Piano Bar”, composta por Humberto Gessinger, dos Engenheiros do Hawaii; a composição de Raquel Leal em homenagem aos artistas do Sarau Solidões Coletivas; Patrícia Correa declamando poemas de sua autoria; eu declamando o poema “Animais selvagens”, de Luiz Guilherme Monteiro, acompanhado da guitarra louca de Bruno Luís; Rabib declamando “Se a chuva”, poema de minha ex-poetaluna Alcione Souza; a estréia de Marina Montenegro declamando “Ismália”, de Alphonsus Guimarães; a poesia guerreira de Wagner Monteiro; Luan Barros declamando a letra de música “Telhados de Paris”, de Nei Lisboa; eu declamando “Sob um céu de blues”, da saudosa banda gaúcha Cascavelletes, acompanhado do violão blues de Zé Ricardo; o show rep de Paulo Roberto com o Graveto Old Style.



Neste terceiro vídeo do Sarau Solidões Coletivas In Bar 13, declamei o poema em homenagem ao aniversário de Cíbila Farani; o poema interativo de Gilson Gabriel, uma “ode ao coletivo”, com a participação animada do público; o Acoustic Project em versão elétrica – Gabriel Carvalho e Emanuel Coelho mandando composições elétricas de autoria própria; a prosa poética de Raquel Leal para Cíbila Farani; o poema de Leonel declamado por Patrícia Correa; o retorno de Alexsandro Ramos declamando poemas de Erick Ramos e de Castro Alves; eu declamando Ana (diplose), em homenagem a musa Ana, de “Refrão de Bolero”, dos Engenheiros do Hawaii; a estréia do rapper Diego acompanhado da guitarra de Gabriel Carvalho; a “Miss Tatoo” de Gilson Gabriel; o tributo a Emílio Santiago feito por Erick Ramos e Juliana Guida Maia; mais poemas de Patrícia Correa; a segunda parte do stand comedy de Ronaldo Brechane.


Neste quarto vídeo do Sarau Solidões Coletivas In Bar 13, declamei o poema de Rabib Floriano em homenagem ao heavy metal; o show do Black Cult, com Davi Barros, Eddie Mendonça e Uli Barros, voltando às origens black metal e com a presença ilustre do lendário Metal; o poema “Oração heavy metal ao Cisne negro”, em tributo a Cruz e Sousa e Metallica, declamado por mim, acompanhado da guitarra de Eddie Mendonça e a batera de Uli Barros; a dama entre a guerra e o poema Raquel Leal declamando poema em homenagem ao meu diálogo poético com Aquiles Peleios; novos poemas de Patrícia Correa; o poema “Dimensões Metallicas”, de Karina Silva, declamado por mim e por ela; o poema “Sociedade Maldita”, de Luiz Guilherme Monteiro, declamado por mim, acompanhado da guitarra de Karina Silva. 

Neste quinto e último vídeo do Sarau Solidões Coletivas In Bar 13, declamei o meu poema “Trando folga do sistema”, em homenagem à banda System of Down, acompanhado do violão de Breno Meirelles e a batera de Uli Barros; o show de José Ricardo Maia, mandando Charlie Brown Jr., Legião Urbana, entre outras canções, acompanhado da bateria de Uli Barros. 

2 comentários:

  1. Meu computador tem o som terrível, se possível você poderia colocar as letras dos poemas no blogger.
    Ficarei grata. Se possível quando colocar me avisa.
    Obrigado.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguns dos poemas já foram publicados aqui, Janice Adja, como "Dimensões metállicas", de Karina Silva, "Heavy", de Rabib, e a maioria dos que eu declamei, mas, com certeza, te aviso quando publicar os próximos! ;)

      Excluir