segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Solidões Compartilhadas: Os malabarismos poéticos de Suelen Cristina


O sol retorna às nossas tardes e beija mais uma vez as flores primaveris de nossa terra, outrora castigada pelos restos de geadas do inverno! Um dia excelente para compartilhar mais uma vez minhas solidões poéticas com a jovem talentosa poetaluna Suelen Cristina, da E. M. Alcino Francisco da Silva, em Teresópolis/RJ. O novo poema da escritora que publico hoje foi um poema feita ‘sob encomenda’. Devido ao Sarau Solidões Coletivas In Circo Volante, que realizamos na noite do último sábado, dia 29/09, em Valença/RJ, durante o Arte Valença 2, o organizador do evento Giovanni Nogueira me pedira um poema que falasse das alegrias do circo, do poder da superação, para corresponder à proposta beneficente do evento: ajudar o jovem Edilson do Santos, que superou doenças e permanece vivo como por um milagre de Deus e pelo apoio de familiares e pessoas amigas. Como eu estava atolado de eventos – neste mesmo dia, à tarde, Juliana Guida Maia e eu participávamos do Identidade Cultural, organizado por Janaína da Cunha, decidi passar o desafio para minha aluna poeta Suelen Cristina. A jovem artista aceitou o desafio e, no dia seguinte, me trouxe o poema abaixo para revisarmos. Leitores, eis o excelente poema que abriu o “Sarau Solidões Coletivas In Circo Volante: Os malabarismos da arte na vida” e que tanto nos inspirou a superarmos nossos cansaços e realizarmos o sarau no evento “Arte Valença 2” (em breve, posto o vídeo do evento):   

O circo da vida apresenta

Eu sou a equilibrista
andando na corda bamba
da vida:
cada passo uma decisão.

Eu sou o palhaço
não sei chorar:
prefiro rir minhas mágoas
que derramar lágrimas por alegrias em vão.

Eu não tenho medo
sou jovem demais
realizo todos os meus desejos
assim como o mágico faz.

Senhoras e senhores,
o circo da vida apresenta
superação com risada de palhaço
e garra de domador de leão!

Um comentário: