sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Solidões compartilhadas drummondianas: "Poema das Quatro Fases", de Juliana Guida Maia


Hoje compartilho solidões poéticas drummondianas com Juliana Guida Maia. O poema dela que posto hoje é uma homenagem a um dos mais fodásticos poetas brasileiros de todos os tempos: Carlos Drummond de Andrade. Em seu poema, Juliana Guida Maia destaca as várias fases e faces do poeta: a primeira fase ‘gauche’, o deslocado, em que o coração dele é maior que o mundo (“mais vasto é o meu coração”); a segunda, mais comunista, na qual o poeta se volta não só a ele como aos outros ao seu redor (“A morte do leiteiro”, etc), tanto que num poema, ele desfaz o verso “mais vasto é o meu coração” e descreve que seu coração não é maior que o mundo; a terceira fase, niilista, iniciada pelo livro “Claro Enigma” (o próprio nome do livro já avisa: se o enigma é claro, ele é um nada) e a seguinte, onde ele mescla todas as três fases anteriores, somadas a resgates de memórias da infância e a celebração de toda forma de amor (inclusive a erótica, segundo o poeta, “o amor natural”).
Em tempo: O poema de Juliana Guida Maia surge em ótimo momento, pois amanhã, no Bar e Restaurante Costelão, no bairro Getúlio Vargas, em Valença/RJ, ás 18:30h, realizaremos o “Sarau Solidões Coletivas In Bar: Fazendeiros do Ar, Rosas do Povo e Claros Enigmas – Homenagem a Carlos Drummond de Andrade”, celebrando os quase 110 anos de aniversário de nascimento desse múltiplo e mais que completo fodástico poeta (Drummond nasceu em 31 de outubro de 1902 e faleceu em 17 de agosto de 1987).
Viajemos pelos universos líricos de Drummond e de Juliana Guida Maia, amigos leitores!

Poema das QUATRO FASES

O homem que vê o mundo vê um muro
O homem constrói barreiras entre  olhos e óculos
O homem ergue versos de pedras irônicas
O homem é um muro a esquerda o mundo.
(Pra que tanto mundo, meu Deus?)

O homem carrega os tijolos do mundo nas costas
O homem constrói versos para transpor pedras
O homem se enternece do mundo
O homem se enfurece pelo mundo.
(Como pesam as rosas deste mundo, meu Deus!)

O homem esvazia mundos
O homem (des) constrói enigmas niilistas
O homem versifica as pedras destruídas do mundo
O homem é do tamanho da desesperança do mundo
(A qual mundo pertenço, meu Deus?)

O homem revisita os universos de seu mundo
O homem se (re) constrói versificando a criança
O homem pulsa em nuances mundanas
O homem é múltiplo como o mundo.
(Quantos mundos cabem no seu verso, Homem!)

4 comentários:

  1. Ju, que poema lindo. Não ressaltar os versos que mais gostei, como é de costume. Mas vou arriscar responder duas perguntas sob o meu ponto de vista egocentrico (claro, pois é de meu interesse rsrsr).

    Voce pertence ao mundo poético que nos traz lirismo para nossas vidas. Quanto a quantos mundos cabem no seu verso, tantos quantos forem desvelados por outrem que descobre esse Homem. O código genético não se resume apenas à biologia, mas à cromossomos, ribossomos e todos os "ssomos" poéticos de Drummond. Nesse exato momento encontro mais uma filha LEGÍMA do HOMEM e nem precisará de teste de DNA, é claro o enigma.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Juliana! Sou amiga da Neide e vi esse blog através do post dela no FB. Gostei muito do seu poema, questionador, inspirado e inspirador. Lembrou-me o belíssimo poema de Drummond "Que coisa é homem", que é um dos meus prediletos. Solte seus versos num livro, eu o fiz recentemente e aconselho.
    Parabéns também aos administradores do blog por abrir esse espaço acolhedor.

    ResponderExcluir