domingo, 24 de junho de 2012

Solidões compartilhadas: O "natural" de Adriano Gonçalves

Hoje compartilho minhas solidões poéticas com o músico e compositor Adriano Gonçalves, de Nova Iguaçu/RJ. Apesar de morador da baixada fluminense, Adriano fez história no cenário underground musical valenciano, influenciando músicos da região como Zé Ricardo e Fábio Arieira, tanto que até hoje as composições do músico são tocadas em saraus e festivais da região sul-fluminense. Tocou na banda Dezabutinados e chegou a participar comigo do evento multicultural UniVersos Culturais de Valença, realizado no extinto Teatro Rosinha de Valença, em janeiro de 2009. Suas músicas refletem contra a opressão da sociedade preconceituosa, a favor da liberdade e sempre em prol da arte como meio da total libertação. Uma de suas letras, a que posto hoje, tornou-se uma espécie de hino de nosso Sarau Solidões Coletivas, realizado todo terceiro sábado do mês, no Open Bar, em Valença/RJ. Com vocês, o "Natural" de Adriano Gonçalves (com direito a duas versões em vídeo - uma com Fael Campos & Zé Ricardo e outra com Fábio Arieira & Zé Ricardo):


Natural

Acorrentaram minhas mãos
Como se eu fosse um animal
Sendo ou não sendo irracional
Sou criação de um mesmo deus

Não adianta vir me debulhar
Não devo nada pra ninguém
Eu não pareço com você não dá pra mim
Já chega, já chegou ao fim

Os meus amigos sempre estão
Os que não entendem nunca vêm
É coisa de irmão para irmão
É natural pra mim também

Não adianta, eu não vou me calar
Você pode até ser rei
Eu não pareço com você, não dá pra mim
Já chega, já chegou ao fim

Eles podem calar minha voz
Mas não vão me impedir de pensar em nós
Se cantarmos numa só voz
A liberdade inspira arte dentro de nós






2 comentários:

  1. A liberdade inspira dentro de nós e a sentimos no ar com a eclosão melódica de músicos como Adriano Gonçalves, Zé Ricardo, Fael detre outros.

    ResponderExcluir