sexta-feira, 24 de abril de 2015

Solidões Compartilhadas: A Ode aos Poetas Exagerados de Déia Sineiro

Dia de sol, intensos raios de luz, véspera de sarau, lirismos exagerados, hoje trago ao blog um poema – ode, homenagem –, dedicado a alguns artistamigos que já se apresentaram no Sarau Solidões Coletivas. O super-simpático poema, graciosa oferenda lírica de amizade e poesia, foi maravilhosamente escrito pela fodástica poetamiga Déia Sineiro no dia 28/03 para o Sarau Solidões Coletivas Exageradas, servindo como abertura daquele inesquecível evento poético.
O original do poema foi deixado comigo pela própria poetamiga Déia Sineiro, para que eu o digitasse e compartilhasse em data oportuna. Aproveitando o espírito comemorativo do Sarau Solidões Coletivas – que realizará sua festa lírica de aniversário de 3 anos, com o tema “COMUNA DA ESQUINA DAS BICAS: LIBERDADE E SOLIDÕES COLETIVAS AINDA QUE TARDIAS” - TRIBUTO LÍRICO AOS POETAS ÁRCADES E AO CLUBE DA ESQUINA, amanhã, dia 25/04, a partir das 19:00h, na Comuna da Quinta das Bicas (quintal da casa do Gilson Gabriel), em Valença/RJ -, resolvi finalmente digitar  o poema de Déia Sineiro (a demora ocorreu devido ao caos de papéis em minha casa; achá-lo foi uma verdadeira aventura) e compartilhá-lo aqui com os amigos leitores.
Sejamos sempre poetas (e leitores) exagerados, amigos! Arte e Sarau Solidões Coletivas Sempre!

Poetas exagerados

Exagerados – por que não exagerar?
Poesia, contos, prosas e melodias
Todos sabem apreciar
Sarau Solidões Coletivas via começar...

Sem medo de amar,
Carlos Brunno se joga aos teus pés,
Juliana Guida Maia,
com paixão e amor no coração.

Um novo livro vem surgindo...
O tempo não para, né, Raquel Leal?
Com encanto, a nossa poeta
seu sonho vai realizar...

Toca uma bela canção aí,
Eric Clapton, Cazuza, amiga Cíbila Farani,
pois adoro um amor inventado
nos poemas falado.

Hoje o pássaro alcança o vôo
não mais cego, o poema que postou,
lindo, fascinante,
lembra do Hoje,
lembra desse instante,
nosso mestre Gilson Gabriel,
que tem de anjo Gabriel o sobrenome.

E, pra me convencer,
eu, Deia Sineiro, comecei a escrever
e aqui estou na Biblioteca Municipal
junto com amigos
nesse lindo recital.

Termino com um trecho de outro poema
- Não sei, não sei, não sei
se fico ou passo
sou poeta –
como Cecilia Meireles, não vejo mais
que um “Motivo”.
Vamos aplaudir!

Somos todos Poetas Exagerados!

Nenhum comentário:

Postar um comentário