quinta-feira, 25 de julho de 2013

Smells Like a Solidões Coletivas: A noite poética grunge valenciana no útero de Seatle

Hoje trago os vídeos do animadíssimo Sarau Solidões Coletivas In Bar 15 “Smells Like Solidões Coletivas: No Útero de Seatle”, em tributo ao rock grunge, tema sugerido por Karina Silva. O evento aconteceu na noite de 20 de julho, no Mineiru’s Bar e Restaurante, no Jardim de Cima, em Valença/RJ, e contou com uma galera bastante animada (tanto que já fizeram o pedido da “Noite Grunge 2” rs).
Arte sempre, amigos leitores, e não, não temos uma arma (quem curte “Come as you are”, do Nirvana, entende), mas trazemos a música e a poesia, que são muito mais explosivas!  

Neste primeiro vídeo, temos o retorno de Sonia Rachid; declamo prosa poética de minha autoria em homenagem ao álbum “Nevermind”; João Júnior e José Ricardo Maia interpretam “In Bloom”, do Nirvana; Ronaldo Brechane faz seu stand up comedy, zoando com a Jornada Mundial da Juventude, Rubinho Barricchelo e a “Humilde Residência”, de Michel Teló e inovando com uma composição própria; o tributo ao poeta Rogério Silva (in memoriam), feito por mim, Raquel Leal e por Giovanni Nogueira, que também cantou o hit de sua banda prognoise Gadernal, a grunge “Você vai me pirar”.

Neste segundo vídeo, inicio com uma prosa poética de Cíbila Farani; José Ricardo Maia e Rafael Campos interpretam canções de Adriano Gonçalves (in memoriam); declamo poemas de Charles Bukowski e de Luiz Guilherme Monteiro; Wagner Monteiro apresenta poemas furiosos e undergrounds; Gilson Gabriel declamando poema de sua autoria em homenagem ao anarquista Salvador Puig; a banda OX40 interpreta magistralmente canções de Pitty e de Capital Inicial.

Neste terceiro vídeo, Patrícia Correa declama poema de Affonso Romano de Sant’Anna; Juliana Guida Maia declama a letra de canção “Natural”, de Adriano Gonçalves (in memoriam); declamo meu poema “Todas as apologias (inclusive nenhuma)” em tributo à canção “All apologies”, de Nirvana, interpretado, em seguida, por João Júnior e José Ricardo Maia; João Júnior declama seu poema “vira-latas” e interpreta mais alguns clássicos do grunge; Cíbila Farani faz um poema memorialístico interativo grunge; declamo meu mantra grunge e a galera pira pulando muito com o instrumental de “Come as you are”, tocado por José Ricardo Maia; Rabib Jahara declama poema de Aquiles Peleios em tributo ao Nirvana; Karina Silva e Luana Cavalera apresentam poemas grunges de suas autorias e de Ranieri.

Neste quarto vídeo, declamo poema de Felipe Zombie, acompanhado de Gabriel Carvalho, que, logo em seguida, interpreta canções grunges e de sua autoria; declamo poema de Sonia Rachid; Elder Silva, de Volta Redonda/RJ, estreia no sarau cantando O Rappa e o OX40 interpreta “Malandragem”, de Cássia Eller; a parceria de Raquel Leal e Karina Silva declamando um poema grunge de Karina, que, depois, declama poema de Vanessa Lima, de Ipatinga/MG; Rafael Campos e José Ricardo Maia interpretam mais canções de Adriano Gonçalves (in memoriam); Raquel Leal declama poema de sua autoria em tributo à musa Seatle; Cíbila Farani declama poema de Cecilia Meireles em homenagem a Rogério Silva e aos vários amigos que aparecem (e desaparecem) em nossa estrada; José Ricardo Maia e Rafael Campos encerram o evento com a versão grunge de José Ricardo para a canção de Nirvana e “Será”, de Legião Urbana (já anunciando o tema do próximo sarau, que rolará no dia 17 de agosto: “Rock Brasília).

Nenhum comentário:

Postar um comentário