domingo, 24 de julho de 2011

George Harrison e eu: No bar (parte 1)

No bar (parte 1)

Foi um pouco depois de eu deixar Lúcia com seus céus de diamantes e seu orgulho hostil que comecei a me ver sem rumo. Logo após, nova mudança: Júlia, minha velha amiga, partiu pra longe e, se houve algum gesto de amor platônico em nossa despedida, a geografia da distância agora mapeia continentes de esquecimentos. Dois dias depois, vi Jude chorando copiosamente, disse-me que aceitou Deus Pai Todo Poderoso e que eu devia aceitá-lo também, antes que fosse tarde demais. É, amigos, o sonho acabou... Agora bebo sozinho, sabendo que nunca transcendemos, que nunca inventamos nenhum submarino amarelo, que a revolução nunca existiu, argh! O álcool desce amargo!
Olho o tempo – hoje é mais um dia antes do amanhã que será igual a hoje. Toda vez que entro neste bar, reconheço que a minha juventude está cada vez mais envelhecida. O jornal ranzinza sobre o balcão me lembra que agora os heróis são baleados por seus próprios companheiros. Por isso, prefiro o silêncio revoltado dos comuns; só assim posso escrever e descrever o incomum em paz; só assim em silêncio que consigo gritar mais que esse novo mundo barulhento; só trancado em mim mesmo dentro desse bar que evito a chuva violenta que ainda chora lá fora.
Mas não é a chuva que chora agora... e sim uma guitarra! Meu silêncio beija suas ondas sonoras, nota por nota, meus ouvidos procuram, então abro meus olhos e vejo o homem que toca a guitarra que chora e o trio que o acompanha. Me aproximo de sua mesa e, por algum motivo, esse desconhecido parece-me um velho amigo. Os amigos dele fazem o sinal de paz e amor, são amistosos com minha aproximação. Atento à musicalidade de meus passos, o dono da guitarra interrompe por um momento sua jornada sonora, sorri sem olhar pra mim e, sem desviar uma das mãos dos acordes, aponta para a cadeira vazia a sua frente:
- Sente-se, amigo!
Aceito o seu convite – depois de tanto tempo perdido, reencontro meu lugar.
  
(continua em forma de poema em próximos posts) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário