domingo, 25 de setembro de 2016

Dos gritos às vacas simpáticas: o dia a dia de Larissa Paim

Cheguei da efervescente Anchieta/ES há pouco e me deparei com uma Teresópolis/RJ cinza e melancólica, completamente oposta à imagem que esse dia merece – cadê o sol de primavera? Cadê as luzes que deveriam dar um toque de bom humor e lirismo nesse dia tão especial? Sinto-me desapontado com o mau tempo, afinal hoje é um dia especial, que deveria oferecer um clima de sol e risos, hoje é um dia muito especial, pois outra grande escritoraluna que conheci durante as aulas na Escola Municipal Alcino da Silva faz aniversário, hoje é o dia do aniversário da jovem e talentosa escritoraluna teresopolitana Larissa Paim!  Pensando bem, talvez eu entenda porque o sol não vem neste dia tão especial – a escrita lírica e iluminada de Larissa Paim já é o próprio sol retirando a mancha cinza de nossos sisudos olhos.
Irmã da exímia cronistamiga Diana Paim, parente da surpreendente poetaluna Maria Emilia de Oliveira, Larissa Paim não fica para trás no quesito talento na escrita. Seus textos trazem desenvoltura, poesia, inovação e bom-humor a aspectos outrora vistos como cotidianamente ordinários ou sem lirismo. Uma prova disso é a fodástica crônica “Dos gritos às vacas simpáticas: o meu dia a dia”, texto finalista no concurso interno de crônicas dos nonos anos da Escola Municipal Alcino Francisco da Silva. Na crônica citada, Larissa descreve fatos banais do cotidiano em um bairro rural de Teresópolis/RJ (Providência, para ser mais preciso) de forma singela e com pitadas humorísticas que colorem de energia e alegria o nosso outrora entediante dia a dia. Com um estilo todo próprio, a jovem escritoraluna sublima o seu universo particular, inovando a forma de se descrever o cotidiano de uma jovem moradora de um ambiente rural – fatos que poderiam ser vistos como tediosos ou repetitivos são transformados em aventuras incríveis do caminho diário em meio à paisagem bucólica Não é à toa que sua crônica tornou-se uma de minhas leituras favoritas neste ano. . Larissa Paim cumpre com habilidade incrível uma das missões mais difíceis de todo fodástico cronista: transformar o simples em algo formidável e mágico sem abandonar a simplicidade e a naturalidade.
Hoje é o aniversário de Larissa Paim, mas os presenteados somos nós, amigos leitores. Compartilho hoje minhas solidões líricas com a magnífica, mais-que-fodástica crônica da talentosa escritoraluna aniversariante.
Que nossos olhos reencontrem o sabor colorido, mesmo em dias cinzas como este, a partir da leitura da iluminada crônica da espetacular escritoraluna Larissa Paim, amigos leitores!

Dos gritos às vacas simpáticas:
 o meu dia a dia

Providência, 6:31 da manhã. Minha amiga Jade me acorda aos berros para eu ir ao ponto de ônibus. Deveria ter saído de casa um minuto antes, mas cá estou eu sendo acordada aos gritos. Desespero: estou atrasadíssima. Jade esquenta o café, pega meu sapato, a escova de cabelo, arruma minha bolsa e lá vamos nós correndo no meio da lavoura do tio Jilmar. Chegar no ponto: essa é a hora que as alunas atletas do nosso Professor de Educação Física Genaldo começam o atletismo.
No ônibus, encontro minhas outras amigas Ana Luiza e Andressa, ambas de cabelo em pé com nosso atraso. Após um tempo, chegamos na nossa segunda casa – a escola.
Na sala, tudo começa na preguiça, depois há as conversas com as amigas. A Thaís, a mais faladeira, é quem começa tudo.
Chegando da escola, a caminho de casa, me deparo com um cachorrinho preto, lindo e brincalhão, mas com imenso medo de as pessoas encostarem nele. Na ponte, aquela correria de sempre de carros e motos. Seguindo em frente, passamos por uma bela casa amarela, onde tia Altina, com seus 100 anos, fica esperando minhas amigas e eu chegarmos da escola para nos cumprimentar com o costumeiro boa tarde. É só o começo, ainda há um longo caminho para percorrer.
Mais uma vez, me deparo com muito mato. Nesse trecho, tem uma vaca que apelidamos de Mimosa; ela é boa, até conversamos com ela. A parte mais legal são as nossas brincadeiras perto do lixão. Ana Luiza todo dia pega uma garrafa para bater em Jade. Andressa só ri, igual uma hiena. Agora eu nem falo nada, ‘deixo baixo’. Após esses momentos divertidos, chegamos no eucalipto, onde também tem a lavoura de alface da tia Natalina.
A partir daí, cada uma toma seu rumo. Amanhã faremos tudo de novo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário