domingo, 11 de março de 2012

Solidões compartilhadas: A crônica felina de Larissa Souza


Hoje compartilho minhas solidões com a jovem cronista Larissa Souza, mais um fértil fruto da árvore de talentos artísticos da E. M. Alcino Francisco da Silva. Apaixonada por animais, adora o filme “Marley e eu” (já assistiu a ele 3 vezes e confessa ter se emocionado todas as vezes que o viu), é fã-nática pelas músicas da cantora norte-americana Adele e possui uma escrita autêntica, cativante, extremamente emotiva e de raro lirismo. Posto hoje o primeiro de muitos textos que essa promissora escritora me enviou, para que os leitores possam conhecer sua arte escrita que os meus olhos tiveram o prazer de ler antes de todos vocês.
  
O único que me entende

Será que ninguém percebe que ainda existe uma criança aqui dentro de mim? Que chora demais, que sorri demais, que ama demais, que faz tudo em excesso!
Ninguém compreende que continuo sendo aquela menininha que ama estudar, que é fissurada nos amigos, que confia em todos e que só se ferra! A menininha bobinha que não sabe o que faz! Será que ninguém sabe como eu sou de verdade? Será que ninguém sabe que consigo sentir todos os sentimentos possíveis em um minuto?...
Será que ninguém sabe que a coisa mais preciosa que tenho nesse mundo é meu gatinho (de estimação), só porque ele não fala, não me magoa, mas sim porque ele me entende, é a única coisa que sabe quem eu sou e que está sempre ao meu lado mesmo que eu esteja suja, feia...
Mesmo que eu o esnobe, o coloque para fora, mesmo assim, ele me ama com todos os meus defeitos e não critica nenhum deles, só ele sabe quem eu sou e não o que eu tenho... só ele....

3 comentários:

  1. Adorei, Larissa. Continue escrevendo mais e mais!Aproveite, use e abuse do prof. Carlos Brunno, pois ele é um raro, raríssimo professor!
    Espécie em extinção!!
    Parabéns, Carlos!!!

    ResponderExcluir
  2. Gostei pra caramba do texto Larissa, parabéns! Ah! Adorei esse fofucho peludo, que lindinho rsrsrs.

    ResponderExcluir
  3. Ahhh mas adorei demais!!! Bem que o Carlos Brunno disse!!!

    ResponderExcluir