sábado, 7 de novembro de 2015

Solidões Musicais Compartilhadas: Viajando nos Campos de Bromélias de Jorran Souza

Hoje, neste dia chuvoso, tenho o prazer de compartilhar minhas solidões poéticas com a belíssima canção “Campos de bromélias”, do mais-que-fodástico músico-amigo Jorran Souza.
A canção traz algo entre as últimas fases da Legião Urbana com traços das canções da década de 2000 da banda Catedral (essa impressão é forte também, talvez, pelo fato de o timbre de voz de Jorran parecer muito com o de Renato Russo e de Kim), com o tema “sonhos”. O eu lírico da canção caminha pelos diversos caminhos do sonho (entre eles, os “campos de bromélias” que dão título à maravilhosa canção), vai do universo mais abstrato, ao mais concreto coletivo (“[...] rumo ao destino/Do humilde cidadão”), alcançando os sonhos de um(a) próximo(a) até chegar ao fim da jornada (onde os sonhos se perdem). A letra da canção nos leva a uma jornada lírica fodástica e suavemente melancólica e fixa a palavra “sonhos” em nossos corações e ouvidos (ao fim da canção, estamos em campos de bromélias buscando sonhos perdidos).
Abaixo, trago a letra da música “Campos de bromélias”, o clipe da canção, ‘roubartilhada’ do canal oficial de Jorran no youtube pros amigos leitores poderem ouvir e curtir a fodástica canção e, de bônus, trago um outro vídeo que traz trechos de um show de Jorran e Helair no Will Bar, gravado por mim e por Juliana Guida Maia, pra que todos possamos curtir um pouco mais da arte sublime desse fodástico artistamigo.
Viajemos apaixonadamente pelos “Campos de bromélias” de Jorran Souza, amigos leitores, e façamos como o eu lírico dele: que encontremos nesses campos todos nossos sonhos perdidos e não os deixemos mais sozinhos assim.
Sonhos Vivos e Arte Sempre, amigos leitores!

Campos de bromélias

Sonhos vêm e vão
Se perdem entre os lençóis
E vagam pelo chão
Sem rumo ou direção

Se espalham pela mata
Voam pelos ares
Se perdem na floresta
Nos campos de Bromélias

Afastam todo o mal
Suas cores sem igual
Nos lembram o verão
Vivemos cada estação

Adapta a condição
Desfavorável da nação
E rumo ao destino
Do humilde cidadão

Encontrei
Teus sonhos perdidos aqui
Não os deixes sozinhos assim
Longe de ti
Longe de ti

Encontrei
Teus sonhos perdidos aqui
Não os deixes sozinhos assim
Longe de ti
Longe de ti

Sonhos são alimentados de esperança
Sonhos são feito uma criança
Sonhos rumam a uma direção
E se perdem no caminho do coração

Em algum lugar ele ficou
Quando a alma se magoou



Nenhum comentário:

Postar um comentário