sexta-feira, 21 de junho de 2013

Solidões revolucionárias compartilhadas: Luiz Guilherme Monteiro grita: Até que enfim!

Esse poeta já esteve por aqui, compartilhando suas solidões e revoltas poéticas, gritando em versos ácidos contra a alienação e a acomodação. Agora ele vê o povo nas ruas protestando, o Brasil acordando, e se rende ao movimento histórico e revolucionário que estamos vivendo. Esse poeta é o jovem valenciano Luiz Guilherme Monteiro, que retorna hoje ao blog, acompanhado pelas constantes manifestações de protesto da população brasileira, que, após as vaias à Presidente Dilma Rousseff na abertura dos jogos da Copa das confederações, finalmente acordou e foi pra rua gritar contra os podres poderes que nos desgovernam.
Vamos declamar com Luiz Guilherme Monteiro, amigos leitores, vamos acordar extasiados contra todo abuso e corrupção e gritemos: Até que enfim nós acordamos, até que enfim!!!

Até que enfim

O povo se levantou para a luta
Levantou-se e revoltou-se para tornar a vida mais justa
Esqueceu-se da quase completamente inútil copa
E lembrou-se que está sendo roubado

Finalmente existe orgulho em ser brasileiro
Finalmente existe a chance de Ordem e Progresso
Finalmente o jovem brasileiro deu a cara a tapa
Finalmente o engravatado está fraco e encurralado

Em meio a babacas que não sabem o que fazem
A população reivindica seus direitos
Enquanto a trupe de trapalhões
Nada faz direito

Uma batalha foi ganha
Mas a guerra ainda não
Porém agora finalmente contando com o povo
A guerra pelos direitos se desdobra a nosso favor

O povo treme de felicidade
E o congresso treme de medo
Nosso dinheiro não mais será teu
Nosso país não mais será circo teu

Bem-vindo a revolução da Geração Coca-Cola
Lutemos como lutaram nosso heróis
Heróis que morreram de overdose
Heróis que em nossos corações nunca morreram

A volta dos que não foram finalmente aconteceu
Trema diante do povo
Pois vocês não nos representam
Nós representamos vocês

Nosso dinheiro retornará a ser nosso
E vocês voltarão de onde vieram
Avante ao inferno

Pátria amada Brasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário