domingo, 14 de abril de 2019

Meus poemas estranhos, inéditos e outonais: Acróstico Sereno Outonal


As chuvas lentas e tímidas de outono sempre me provocam poemas estranhos. Este é mais um, inédito, acróstico com diagnóstico de loucura sã. Não sei o que dizer sobre ele – a chuva outonal o fez assim e assim ele abraça os seus olhos de outono encharcado de lágrimas preguiçosamente caída como folhas desabadas das árvores, levemente em vão.
O que eu quis dizer? Nem meus eus mais secretos, nem eu mesmo sei, amigo leitor, e, mesmo se eu soubesse, não diria, pois muitas vezes a arte consiste em não dizer os segredos que ela tem, é 'subjetivativativista', depende dos olhos de quem lê, de quem lhe dá vida. Leia-me e diga-me você, amigo leitor inimigamigo, possuidor e possuído da minha estranha poesia.

Acróstico sereno outonal

Cá estou eu em trevas solares.
Hoje a noite pálida amanheceu timidamente tempestuosa em mim
Unindo cansaços bem sucedidos à melancólica preguiça existencial
Vicejando begônias e ervas daninhas no solo ácido e misto de meu jardim outonal.
A chuva fina e frígida abre calorosas cicatrizes obscuras em meu sol sereno.

Deveria o sorriso torto e sem jeito fazer rima tosca com leves desesperos?
Espero respostas que os pingos franzinos deste orvalho equivocado não têm.

Outra vez me surpreendo dançando atabalhoado e quase parado entre poças mal formadas,
Urdidas por uma garoa artista que pacientemente expõe suas telas sinfônicas de impaciência
Tracejadas nas ruínas gritantes das públicas calçadas solitárias e abandonadas.
Outrora a tarde sorria sem pudor; hoje também sorri, mas com indisfarçada monotonia:
Nobre natureza rainha invade o reino urbano cinza com rurais lamentos de verdes vãos.
Outra vez a chuva lenta e tardia irriga meu frágil deslumbramento com sins banhados de nãos...

"Chuva de outono", óleo sobre tela, de Isabella Busato.
Disponível em: http://www.isabellabusato.com.br/portfolio_page/chuva-de-outono/


4 comentários:

  1. Boa noite Carlos
    Achei o seu Blog
    Eu sou o Joãozinhogibi..Lembra?
    Muito legal o seu espaço para compartilhar poesias
    Queria deixar um pequeno poema ,que me veio a mente aqui agora...direto dos meus pensamentos...vou começar a digitar para não perder a idéia...

    SONHOS
    sonhos sonhados
    Sonhos perdidos
    Sonhos vividos
    Sonhos lamentados
    Sonhos distantes
    Não importa os sonhos que sonhamos ..
    Se estão perto ou longe
    Se são apenas sonhos ou desejos não alcançados
    Quando sonhamos damos sentido a vida
    vislumbramos uma meta a alcançar
    criamos força e coragem para superar os obstáculos da vida
    Quando sonhamos nos desafiamos
    vivemos de desafios e sonhos
    Isto nos motiva a lutar e viver
    quando alcançamos e realizamos um sonho
    nos renovamos e criamos outros sonhos
    Porque sonhos são desafios que nos mantém vivos
    Quando deixamos de sonhar
    perdemos o sentido da vida
    perdemos a graça de viver e realizar...
    Por isso sonhamos
    Não importa se vou alcança los ou não
    Mas o desafio de vive los
    Já me torna Feliz
    Viva sempre os seu sonhos , contagie outras pessoas ,chame as para viverem também...
    Se um sonho acabar ,comece outro ,invente....Mas não deixe de sonhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau! Fico muito feliz em revê-lo mesmo à distância virtualmente e mais feliz ainda em ver a poesia ressuscitar em ti de forma tão esplendorosa! Belíssimo sonho poema, querido e fodástico superartistamigo Joãozinho!
      Quando quiser, fazemos uma 'solidão compartilhada' com textos novos (yeah, fico muito, muito feliz em ver tua poesia renovada!) e antigos. Pode me enviar também via e-mail: carlosbrunno2010@gmail.com . Bem-vindo, mestre poetamigo!
      Ps.: Em saraus próximos, hei de declamar poemas seus! ;)

      Excluir
    2. Achei o livro, mandei a capa e duas poesias para o seu email...não sei se vai dar para ler

      Excluir
  2. Olá, poeta!

    Gosto muito desse poema seu. Nele, vejo claramente a imagem dos versos lidos e lindos à iluminarem a garoa fina da cidade cinza que sempre disfarça alguma lágrima perdida.

    Beijos,

    Raquel Leal

    ResponderExcluir