sexta-feira, 16 de junho de 2017

Chicó, João Grilo, o Padeiro e a Pedra Filosofal de Seu Suassuna

Nem sempre consigo homenagear/escrever sobre todos os ídolos das artes que me inspiram e merecem eternas lembranças e aplausos, mas, dessa vez, não posso deixar passar o aniversário de 90 anos do eterno Ariano Suassuna (o camarada nasceu em 16 de junho de 1927), autor de obras-primas como o "Auto da Compadecida", "O Santo e a Porca" e "O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta".
Não sei de onde veio a louca inspiração; só sei que o esquete saiu escrito por mim assim:



Chicó, João Grilo, o Padeiro e a Pedra Filosofal de Seu Suassuna

Em frente à padaria.
CHICÓ: Ah, João, tô que num me guento mais de fome, mas meu bolso tá uma fartura só: farta dinheiro, farta crédito... só sobra mesmo essa vontade faminta de comer até as lombrigas sorrirem depois de tanta fartura!
JOÃO GRILO: Pois deixe comigo, amigo! Tá vendo esse livro que eu peguei emprestado a perder de vista da biblioteca municipal? Esfrega teu polegar na terra e carimba o dedo aqui na primeira folha. Pronto! Agora entremos na padaria! Esse livro será nosso passaporte pra desforrar essa fome desnutrida!
(Os dois entram na padaria)
JOÃO GRILO: ‘Dia, seu Padeiro! Procurava alguém sapiente como o senhor pra me auxiliar de forma precisa numa transferência remunerada de fortuna que carrego aqui comigo. Só alguém ilustrado como o senhor sabe dar valor à riqueza que preciso penhorar com demasiada urgência, seu Padeiro!
PADEIRO (desconfiado): Não me venha com suas artimanhas, sua raposa matreira dos diabos! O que você teria que pode tanto assim me interessar?
JOÃO GRILO: Olha só, sapioso amigo, o que tenho aqui comigo: é uma Pedra do Reino!
PADEIRO: E quando pedra é feita de folha e palavra, seu malandro?
JOÃO GRILO: Ora, meu ilustre sapioso amigo, estás escondendo sua sapiecidade de mim? Nunca ouviu falar da Pedra do Reino do Seu Suassuna? É uma pedra real, do Reino, um livro, uma pedra filosofal daquelas que os bruxos americanos procuram há milhares de anos, é uma preciosidade sem tamanho! Não há riqueza que pague tanto saber, nobre amigo das Letras do trigo!...
PADEIRO: Ora, então é só um livrinho de um defunto já há muito desfalecido! Não vale nem a rosca que queimei na fornada da madrugada!
JOÃO GRILO: Assim você me ofende e ofende a sua própria sapiecidade, nobre rosqueiro ilustrado! Primeiro que Seu Suassuna num morreu que o cabra, todo mundo sabe, é eterno, conforme foi registrado pelas ordens dos acadêmicos do Brasil. É estudado e inteirado dos assuntos, sapioso Padeiro, sabe das lendas verdadeiras que vêm nas bocas dos Bonner e Clydes do Jornal Nacional. Segundamente que assim ofende o meu amigo Chicó, que possuía grande apreço pelo Mestre Suassuna!
CHICÓ: Não sei o quanto o amigo Padeiro foi maldoso, não achei tanto assim, mas já sinto o peito ferido, um arrepio por machucar meu apreço, me dói tanto quando alguém tão educado como o senhor Seu Padeiro desrespeita o Seu Suassuna que a minha barriga dói de tanta tristeza ruim!
JOÃO GRILO: Pois é, mas toda sapiciedade tem seu grau de ignorância, Chicó. Até alguém sapioso como o ilustre Padeiro tropeça no próprio saber e perde a oportunidade de fazer um negócio mais bonífico pra ele que pro meu camarada aqui...
PADEIRO: ...
JOÃO GRILO: Seu Suassuna, na pausa de sua eternidade, antes de cochilar no Eterno, autografou com seu polegar nobre esse livro mágico, dos altos pilares do reinado letrado, e, como era muito amigo, compadrecido maior de meu amigo Chicó, concedeu a obra ao meu camarada, cuja missão era repassar esse amuleto de sabedoria ao mais sapioso homem desse sertão. E num é que o Chicó, com a mente amarfanhada pelo desalento da perda do compadre Suassuna, num me cismou que o mais sapioso dessas terras era o major Antônio Morais – que cá entre nós, Seu Padeiro, sabemos que o tal é uma mula completa em comparação ao senhor, ilustre e sapioso confeiteiro. Então Chicó já vinha com uma troca equivocada do artefato genial de Seu Suassuna por um sitiozinho sem valor do ignorante Morais. Mas ainda bem que eu intervim antes que Chicó desfizesse a última promessa ao compadre finado que agora descansa, mas não morre jamais  Aproveitando a senilidade do major, foi só darmos um tempo sem falar com seu Antônio Morais pra que o cabra esquecesse o negócio e, agora, tanto tempo depois, após longas análises de perfis e entrevistas com os grandes gênios da região, confirmamos o que eu já sabia: o mais sapioso dessas terras é o senhor, Seu Padeiro, e, mesmo que nos oferecesse uma bagatela – uns 12 pães com mortadela, uns 3 litros de leite, umas roscas caprichadas mais uns sonhos que sonhar é bão demais – a Pedra do Reino autografada com o polegar nobre de Seu Suassuna há de ser sua, meu nobre confeiteiro das Letras.
PADEIRO (confuso e encabulado): Fico honrado, mas meio desconfiado...
JOÃO GRILO: “Dá o livro ao mais sapiente dessa terra, compadre Chicó!” Não foi isso que Seu Suassuna disse, Chicó?
CHICÓ: Não sei se ele disse dessa terra ou do universo, João, só sei que foi prometido assim.
JOÃO GRILO: Pois é. E ao dito, eu só acrescentaria o que não foi dito, mas estava escrito nos olhos do eterno desfalecido que não morre jamais: “Mesmo que o cão seja sapiente, mas tão ruim que não desse nem uma duziazinha de pães aos que buscaram incansavelmente o cabra mais sapioso e merecedor de tamanha fortuna!”  (olha pra cima) Tudo bem, Seu Suassuna, seja feita vossa vontade! (vira-se para o padeiro) Toma o livro, sapioso Padeiro, dou-te a fortuna, apesar do seu jeito descrédulo; és o mais sapiente e, mesmo nos sendo ingrato, preciso fazer isso, pra não amarfanhar a última vontade do Seu Suassuna. Vamos simbora, Chicó, Seu Suassuna está satisfeito com nosso concedimento da fortuna do Eternizado ao Seu Padeiro. Já a ingratidão deste, deixe que Nossa Senhora com ele se resolva nos zap-zap do Juízo Final.
Minutos depois, João Grilo e Chicó saem da padaria, com seus 12 pães com mortadela, uns 3 litros de leite, umas roscas caprichadas mais uns sonhos que sonhar é bão demais! 


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Chuva de música, psicodelia poprrockprogressista e poesia: A nova cor do som do Canteiro

Ontem, na chuvosa noite de terça-feira, 13/06, cumpri uma promessa antiga: finalmente visitei a casa do mestre-poetamigo Roberto Esteves Siqueira Jr. no Canteiro, em Valença/RJ, e tive a oportunidade de trocar meus livros mais recentes com ele e, glória dos deuses da psicodelia poprrockprogressista!, de participar e assistir ao fodástico ensaio de sua banda, a Banda do Canteiro, formada por ele (guitarra e voz), Carlos Roberto (percussão, vocal e dança), Edinho Batera (bateria) e Vany Junior (baixo). Foi uma noite fabulosa de muito som e poesia (não, não há registros de fotos ou vídeo; alguns momentos fodásticos só ficam registrados no facebook da memória).
Fiquei tão empolgado com o show que acabei escrevendo um poema em homenagem à banda. Espero que os músicos-amigos e amigos leitores gostem.

A nova cor do som do Canteiro
Em homenagem e à moda de A Banda do Canteiro

Após a porta, existem as portas, outras portas,
sou viajante na tempestade buscando abrigo na casa do som, no lar do lirismo:
“Olá, louco amigo, eu vim conhecer as harpas, tambores e violinos modernos
que você me prometeu.”
A noite nas minhas costas recebe o primeiro beijo inodoro da chuva iluminada
e a violência das gotas d’água frenéticas outrora contidas
são pancadas pacíficas, macias,
que acompanham os tons, semitons, harmonias e inexistentes microfonias
de meus velhos e novos amigos, que tocam pra si numa dimensão paralela, coletiva.
Agora um cachorro me sorri latindo em frente ao portão invisível,
declamando algum roteiro que nunca foi escrito pra Fellini filmar;
a nova cor do som de Canteiro tem as pétalas róseas de Floyds infinitos,
cheira ao espírito juvenil de um nirvana que flutua contra o precipício,
aceita o gingado das folhas pueris que balançam nos ventos da liberdade
e traz em sua base as árvores seculares que fazem sombra pra chama não se apagar:
“Ainda é cedo pra envelhecer o desejo, velho companheiro, ainda é cedo,
ainda há muita arte pra se tocar.”
O relógio acompanha a banda sem mexer os ponteiros,
mas o verdadeiro tempo insiste em passar,
então um último solo de guitarra pra outra nota de chuva acompanhar,
então o baixo, cada vez mais baixo, anunciando sua partida
pra outro dia, outra noite, outro depois, retornar
e a bateria hipnótica vai diminuindo a aceleração progressiva,
acompanhando as mãos múltiplas do percussionista
que se prepara pro último toque, pra canção encerrar.
È aí que as portas temporariamente se fecham, todos partem, é hora de descansar,
mas,às minhas costas, a primeira porta, a que abriga as outras portas,
falsamente se fecha, fica entreaberta.
A chuva ainda intensa, mas agora alucinadamente serena
alerta cada um dos morros extensos e receosos do Canteiro:
“Não temas o silêncio, velho companheiro, não é o fim, e sim outro entremeio,
outro dia, outra noite, nós voltamos, tu podes esperar!”



terça-feira, 13 de junho de 2017

Feliz Aniversário, Fim do Fim do Mundo! Baixe gratuitamente o livro nessa postagem!

Yeah, amigos, hoje faz 20 anos que fiz o meu primeiro lançamento de livro em Valença/RJ, faz 20 anos do lançamento do meu primeiro livro “Fin do fim do mundo” em Valença/RJ.
Foi numa sexta-feira, dia 13 de junho (yeah, tudo começou numa sexta-feira 13, já anunciando minha predisposição para a arte maldita, para a contracultura!), no hoje extinto Casarão das Artes, no Centro de Valença/RJ. O evento, como todos os outros que se seguiriam, foi multicultural, pelo apoio da Secretária Municipal de Cultura da época, Ana Vaz, que me concedeu um coquetel surpresa e me auxiliou na intermediação com Allabah e Carlos Henrique Cassiano, responsáveis pelo Grupo Teatral Arte-Ofício, que fez uma performance teatral fodástica de poemas do livro, durante a festa lírica.
Não posso me esquecer também dos amigos patrocinadores que me possibilitaram o custeio para impressão do meu primeiro  livro, como Ronaldo Lamblett, com sua antiga locadora, o pessoal da Doce Lar, o Carlos Augusto, da antiga Casmacon, a Luzam do pai de Lucimauro Leite, a Revista Chafariz do Gerson Menezes, a Oficina do Tio Waltinho, o Bar do Tio Jorge (Aqualume Bar), o Bar do Bacana e tantos outros que acreditaram no potencial de um jovem poetamigo que iniciava sua trajetória literária com um livro de título tão emblemático como “Fim do fim do mundo” (em ironia à novela “Fim do mundo”, que acabara de ser encerrada na Rede Globo e em paródia apaixonada à canção “O último dia” de Paulinho Moska, música de abertura da novela citada). Como meu eu de 1997 declarou, o meu primeiro livro “Fim do fim do mundo” buscava mostrar “os sonhos e pesadelos da vida, sempre procurando - até mesmo nas coisas mais negativas  - encontrar um ponto positivo, uma esperança, um fim do fim, um NOVO COMEÇO!"
Alguns anos mais tarde, o livro seria relembrado por vários atores valencianos durante o Concurso de Poesia Declamada, no Teatro Rosinha de Valença, com destaque para o artistamigo Cadu Souza, que interpretou magnificamente o premiado poema “Intervalo de refeição”, texto ‘hit’ do meu primeiro livro. Mais à frente, Cadu utilizaria vários poemas do livro “Fin do fim do mundo” para os roteiros das primeiras encenações da peça “Apocalipse Brasil”, do Grupo Teatral Amor e Arte, dirigido por ele.
Com o tempo, o livro “Fim do fim do mundo” foi se tornando raro, pois sua edição esgotou-se e jamais fiz uma reimpressão dele. Em comemoração ao aniversário de 20 anos de seu primeiro lançamento em Valença/RJ, deixo-o como presente aos amigos leitores, em versão PDF, para baixar gratuitamente no link abaixo – basta clicar na imagem da capa do livro que ela te levará para a página de download no site 4shared. Mantive o meu primeiro livro com sua forma e ingenuidade originais, com seus acertos e defeitos originais – estão lá poemas que meu eu maduro até hoje inveja, outros que meus eus posteriores possivelmente negariam serem seus autores e outros que eu desejaria alterar, mas saiu assim na primeira vez e assim que insistem em ficar.
Espero que gostem do lírico presente! Abraços e Arte Sempre!

Clique na imagem abaixo e baixe gratuitamente o meu primeiro livro “Fim do fim do mundo” (1997)







segunda-feira, 12 de junho de 2017

As Poerídicas e A Lira de Rafael Clodomiro

Hoje tenho a honra imensa de compartilhar minhas solidões poéticas com o mais que fodástico músico-poetadvogado-amigo Rafael Clodomiro, de Volta Redonda/RJ.  Rafael é o idealizador e produtor de inúmeros, fabulosos e supercriativos projetos líricos musicais, com os quais tem brilhado pelas páginas da internet (mais abaixo coloco para os amigos leitores os links de algumas páginas do facebook administradas pelo “poeta advogado”).
Nesta postagem, destaco dois projetos superpopulares e hiperfodásticos do artistamigo: o lírico-musical Projeto A Lira, no qual Rafael aproxima a literatura das pessoas através da música e das artes visuais, circulando o país cantando as poesias em eventos culturais e em escolas, e o Poerídica, classificado pelo autor-criador do movimento como “uma manifestação de amor ao Direito sancionada através de poesias jurídicas”. “Porque o Direito não é só a letra fria da lei.”, justifica o poetadvogado-amigo.
Abaixo, deixo uma seleção de fodásticas “poerídicas” de Rafael Clodomiro e alguns vídeos de seu projeto “A Lira”. Tenho certeza que os amigos leitores irão aprovar todas as cláusulas-melodias-poemas e revogar quaisquer críticas negativas a esses sublimes projetos lírico-musicais do mais que fodástico artistamigo Rafael Clodomiro!
Em tempo: Hoje, segunda-feira, dia 12/06, Rafael irá cantar poemas musicados (especial Dia dos Namorados), em Valença-RJ no Colégio Estadual Dr. Oswaldo Terra, às 10:30h. A convite do artistamigo, estarei lá! Vale a pena assistir a esse formidável espetáculo!
Links das páginas de Rafael Clodomiro no facebook (é só clicar, curtir, visitar e amar!):


Poerídicas de Rafael Clodomiro








Projeto A Lira:









domingo, 11 de junho de 2017

O meu primeiro momento de lucidez no emocionante Sarau Literário Musical do Grebal no Asilo da Mendicidade

Finalmente chega ao blog minha participação no Sarau Literário Musical do Grebal no Asilo da Mendicidade em Barra Mansa/RJ!
No dia 1.º de abril, a convite dos artistamigos grebalistas Rozan, Eliana Neri e Vera, tive a honra de representar o Sarau Solidões Coletivas e participar de mais um superfodástico evento realizado pelo Grebal: o emocionante Sarau Literário Musical do Grebal no Asilo da Mendicidade em Barra Mansa/RJ.
O vídeo, filmado pela divartistamiga Vera Regina Marins, registra os dois poemas que declamei no evento, "Terceira Idade (O primeiro momento de lucidez)" e "Quando", respectivamente de meu quarto livro "O último adeus (ou O primeiro pra sempre)" (2004) e de meu primeiro livro "Fim do fim do Mundo" (1997).
Foi um momento superespecial, mais um evento mais que fodástico proporcionado pelo Grêmio Barramansense de Letras (Grebal). Que venham outros eventos como esse!

Em tempo: O GREBAL - Grêmio Barramansense de Letras vai participar do "Show de Domingo" no dia 11/06/17, das 10h às 16h. Acompanhe a programação das atividades do stand que estará localizado na rua Rio Branco (área de lazer). Já está confirmada a minha presença, das 10h às 16h, com sete livros de minha autoria.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

As Solidões Coletivas no Encontro das Águas - Homenagem a Rosinha de Valença (in video)

Finalmente chega ao blog o vídeo do "As Solidões Coletivas no Encontro das Águas - Homenagem a Rosinha de Valença", que aconteceu no final de março deste ano!
A convite da mais-que-fodástica divartistamiga holística Dirce Assis, nós, do Sarau Solidões Coletivas, curtimos o I Encontro Holístico de Valença/RJ e participamos do evento no sábado, dia 25 de março, às 20h, com o sarau "As Solidões Coletivas no Encontro das Águas - Homenagem a Rosinha de Valença", no Espaço Ganesha (Rua Nilo Peçanha, 716 - Centro - Valença RJ). 
Foi um momento sublime, fodástico e inesquecível, no qual a galera lírica fez uma homenagem empolgada a mestre-divartista Rosinha de Valença, com participação mais-que-especial do músico-amigo Jean Murat! Que venham outros fodásticos eventos como esse!


No vídeo acima, há: Carlos Brunno declamo poemas seus e da artistamiga Karina Silva, acompanhado ora do violão lírico de Carlos Patryk, ora do violão mpbístico de jean Murat, ora do violão rock de Gabriel Carvalho; Patricia Vasconcellos declamando seu poema em homenagem a Rosinha de Valença; o premiado músico amigo Jean Murat interpretando Rosinha de Valença e canções de sua autoria; Gabriel Carvalho homenageando Jimi Hendrix, mostrando uma composição sua em inglês e fazendo uma parceria lírico musical com Jean Murat na interpretação da canção "Eu te devoro", de Djavan..
A filmagem foi feita por mim (só um trechinho) e pela poetamiga Patricia Vasconcellos.

domingo, 4 de junho de 2017

Os perigos, as fortalezas e as fragilidades da condição humana nos formidáveis contos de Mariana Sessa

Depois de demorar uma era, finalmente trago ao blog os mais que fodásticos contos da jovem e talentosa escritora Mariana Sessa, cujos enredos me fascinaram muito.
Dei aula para Mariana Sessa no ano passado, quando ela concluía o nono ano, na Escola Municipal Alcino Francisco da Silva, no interior de Teresópolis/RJ, e, mesmo que aparentemente tímida, ela sempre buscou se envolver nos projetos da escola, como nos saraus que realizamos na escola, nos quais a jovem artista cantava famosas canções gospel, em companhia de sua amiga Jaqueline (que já mostrou seu talento como poeta revelação em postagens e concursos literários, em 2016). O talento de Mariana Sessa como escritora de contos (eu sabia que ela era uma leitora voraz de livros de contos e romances e que ela já havia feito alguns poemas e cartas em parceria com Wellington e Jaqueline, mas esta foi sua primeira incursão literária solo na prosa) só me foi revelado no meio do ano letivo de 2016, quando ela tomou coragem e me mostrou suas fantásticas histórias. Seus contos me chamaram logo a atenção pela competência criativa, escrita envolvente, que deixa o leitor vidrado com cada momento da história, e a densidade dos temas (que apresentam desde a violência contra mulher, depressão, escravidão sexual (sutilmente sugerido) até tráfico de pessoas!
Para a publicação, só precisei dar uns pequenos ajustes no conto de Kate e alguns maiores acertos no conto da Lia, resolvendo algumas quase imperceptíveis pontas soltas para que parecessem mais realistas. Mas a essência genial das obras de Mariana Sessa permanece em ambos os contos, os maravilhosos contos que escreveu continuam super-fodasticamente seus; só lapidei diamantes que já brilhavam.
Leiamos com atenção os mais que fodásticos contos da jovem e promissora escritora Mariana Sessa para que nos emocionemos com suas fabulosas narrativas e reflitamos sobre os aspectos bons e ruins da condição humana. Boa leitura e Arte Sempre, amigos leitores!

Kate

            Kate tinha muitos sonhos. Era uma menina pura, ingênua, que possuía uma beleza extremamente perfeita. Seus pais, Dona Alice e seu José, tinham muito orgulho de Kate, pois sua filha era muito adorável, muito amada por todos à sua volta. Só que Kate sonhava muito alto e não via maldade em nada...
            Um dia, Kate saía da escola distraída, quando esbarrou com um menino que passava por ali. Seu nome era João e foi amor à primeira vista! Ele parou diante dela com cara de bobo, puxou conversa e ficou admirando a beleza de Kate. Desse dia em diante, eles passaram a se encontrar e começaram a namorar.
            Mas João não era o príncipe com o qual Kate sonhava: com o tempo, o rapaz passou a maltratá-la. E aquela menina amável e sonhadora virou uma menina triste, amarga e cruel. Kate, que outrora tinha um brilho no olhar, já não era mais aquela menina sonhadora. Seu namoro com o violento João a tornou uma pessoa infeliz e cheia de ódio.
            Seus pais se entristeceram com a mudança de sua filha e tomaram as devidas providências: levaram Kate a um psiquiatra. O doutor logo percebeu que Kate perdera a capacidade de sonhar e percebeu que a paciente sofria de depressão, devido à forma que João maltratava a garota.
            Porém era tarde demais: sem seus sonhos, Kate enlouquecera completamente, jamais voltou a ser a menina adorável de antes. João, apesar de não ser preso pelos maus tratos que praticara com Kate, carregou a culpa por toda vida por ter destruído a mais bela e perfeita sonhadora, por ter acabado com toda pureza de Kate.
Conto de Mariana de Souza Sessa

Lia

            Lia era uma garota estranha, saía pouco de casa, era sempre vigiada pelos tios Sr. Conde e Sra. Condessa, não ia para a escola como as outras adolescentes e tinha poucos amigos. Sua vizinha, Ana Beatriz, com a mesma idade que ela, era uma de suas poucas amigas. Isso porque Ana Beatriz era insistente, sempre que podia se aproximava de Lia, mesmo com a vigilância constante do Sr. Conde e da Sra. Condessa.
            O que mais chamava a atenção de Ana Beatriz era que Lia sempre parecia com medo, falava pouco e se negava a falar sobre sua vida ou sobre seus pais. Sempre curiosa com as atitudes estranhas da vizinha, Ana Beatriz resolveu insistir em sempre se encontrar Lia nas poucas vezes que ela saía até o quintal de sua casa e investigar melhor a vida de sua estranha amiga. Sua insistência acabou irritando Lia, que brigou com a curiosa Ana Beatriz. Diante dessa discussão, os tios de Lia, sempre próximos de Lia, se aproximaram ainda mais e pediram que Ana Beatriz parasse de se encontrar com sua sobrinha, até porque em breve Lia viajaria e, por isso, a garota não deveria criar laços de amizade com ninguém. Ana Beatriz se afastou, mas reparou que um caderno de anotações caíra do bolso do Sr. Conde. Quando os tios e Lia viraram as costas, Ana Beatriz se imaginou num filme de suspense policial, catou rapidamente do chão o caderno perdido, enfiou no bolso e levou-o apressadamente pra casa sem avisar seus estranhos vizinhos.
            Ao ler o caderno, Ana Beatriz descobriu que, na verdade, o Sr. Conde e a Sra. Condessa não eram os tios de Lia, e sim traficantes de pessoas. E mais: eles pretendiam, na semana seguinte, vendê-la para alguém no exterior, que pretendia usá-la como escrava. Ana Beatriz avisou seus pais, que logo avisaram a polícia. Os policiais chegaram, prenderam Sr. Conde e a Sra. Condessa e libertaram Lia. A garota que jamais sorria, pela primeira vez, parecia aliviada. Lia não era mais uma garota estranha. Os policiais lhe explicaram quem foi a responsável pela sua liberdade, então Lia correu e abraçou a amiga Ana Beatriz.
            - Obrigada, Ana Beatriz! Serei eternamente grata a você! Me desculpe por nunca te falar nada. É que o Sr. Conde e a Sra. Condessa sempre me vigiavam e sempre ameaçaram que algo de ruim poderia acontecer comigo ou com você caso eu lhe contasse algo. Obrigada por insistir e me salvar desses bandidos.
            Depois disso, descobriram que, na verdade, Lia era órfã e foi sequestrada de uma casa de menores carentes. Percebendo a amizade de sua filha com a garota, os pais de Ana Beatriz decidiram adotar Lia. E agora Lia e Ana Beatriz não são apenas amigas, vivem felizes como duas irmãs.
Conto de Mariana de Souza Sessa


sexta-feira, 2 de junho de 2017

Demorou, mas chegou: Os vídeos do Sarau Solidões Coletivas In Bar: O retorno dos anjos caídos!

Yeah, amigos, finalmente chega ao blog os vídeos do Sarau Solidões Coletivas: O retorno dos anjos caídos! Demorou quase 3 meses pra chegar, mas chegou (ufa!)!!!
A convite da divamiga Rose Almeida, na sexta-feira, após o carnaval, dia 03/03/2017, às 19h, no Restaurante Variedade & Sabor, situado na Travessa 27 de Janeiro, n.º 128, no bairro Água Fria (próximo ao posto e ao batalhão da PM, em frente ao ponto de ônibus), retomamos a atividade lírica com o "Sarau Coletivas In Bar: O retorno dos anjos caídos", em comemoração à vitória do meu vídeo-poema "Anjo Caído" no Londrix Festival Literário 2017, com Tributo Poético às musas do Rock Brasil (sugerido há tempos pelo músico-amigo Emanuel Coelho).e homenagem lírica ao tio João Gomes (in memoriam), falecido no início do dia, após uma árdua luta contra o câncer.
A festa lírica, realizada com empolgação, dor, folia e superação, marcou de forma inesquecível o retorno do Sarau Solidões Coletivas. Foi fodástico, é um daqueles momentos mágicos, impossíveis de se esquecer, num novo espaço acolhedor e sublime!


Nesse primeiro vídeo do evento,  me apresento com Ronaldo Brechane (estreando nos violões); Gilson Gabriel, Giovanni Nogueira e Patricia Vasconcellos apresentam seus poemas e Emanuel Coelho mostra uma de suas composições e fodásticas versões de canções de Cidade Negra e de LS Jack.


Nesse segundo vídeo do evento, Dirce Assis homenageia Rita Lee; o músico amigo Gabriel Carvalho homenageando o rock nacional e internacional, interpretando canções de Capital inicial, Nirvana (com participação de Davi Barros no violão e em homenagem à nirvanática Karina Silva) e outros, além de músicas próprias; Carlos Brunno faz seu tributo em forma de conto à canção “Camila, Camila”, de Nenhum de Nós; Juliana Guida Maia declama canção composta por Humberto Gessinger. Gilson Gabriel  declama poema palestino de combate e Emanuel Coelho e Gabriel Carvalho brilham em harmônica parceria musical, cantando clássicos do rock nacional e internacional. Esse segundo vídeo ainda traz nos primeiros minutos a filmagem ‘experimentalírica’ do jornalistartistamigo Giovanni Nogueira.


Nesse terceiro vídeo, mais curto e colocado em separado dos demais, por se tratar da homenagem a João Gomes (in memoriam), Carlos Brunno declama a elegia escrita ao tio falecido e Gabriel Carvalho, Emanuel Coelho e o público cantam “É preciso saber viver”, do Rei Roberto Carlos, intérprete favorito do homenageado.


Nesse quarto vídeo, o mestre-poetamigo Gilson Gabriel declama poemas de sua autoria e de outros autores, sozinho e acompanhado do violão psicorrockdélico de Zé Ricardo; Giovanni Nogueira revisita o hit da sua banda Gardenal “Supercílios” em nova versão acústica; a artistamiga declamadora e contadora de histórias Dirce Assis brilha mais uma vez; o músico amigo Zé Ricardo interpreta fodásticas canções do rock nacional e internacional (com direito à participação especial de Giovanni Nogueira numa releitura de um clássico grunge do Nirvana); e, acompanhado de Zé Ricardo, declamo meu poema Eu vi um poema de Bukowski”.  As filmagens destes momentos foram realizadas pelas lentes líricas de Juliana Guida Maia e Karina Silva.


Nesse quinto vídeo, vemos os momentos finais do sarau: o músico amigo Zé Ricardo interpreta canções de Legião Urbana e O Rappa com participações lírico-musicais mais que especiais de Emanuel Coelho e Davi Barros e a divartistamiga Ana Vaz encerra o sarau interpretando à capela uma fodástica canção da diva do samba e da MPB valenciana Clementina de Jesus.
As filmagens destes momentos foram realizadas pelas lentes líricas de Juliana Guida Maia e Isabel Cristina Rodegheri.

Fragmentos Sublimes dos Versos Soltos da divartistamiga Janaina da Cunha

Hoje compartilho minhas solidões poéticas com a divartistamigativista cultural (só o vitorioso currículo literário dela encheria pelo menos duas postagens do blog fácil, fácil) aniversariante Janaina da Cunha, que não vejo há algum tempo, mas que sempre foi uma super-parceira lírica. Seus livros de poemas “Entrega – A essência de uma mulher” e “Versos soltos” têm lugar cativo na minha estante de autores favoritos. Sua poesia é intensa e capaz de sublimar as palavras e fatos mais simples – seus poemas são daqueles que você lê com os olhos sedentos, aplaudindo de pé.
Posto hoje um poema de Janaina da Cunha, do livro “Versos soltos” (yeah, eu tenho um exemplar que adquiri logo no lançamento!) que a própria autora há poucos dias compartilhou e relembrou numa postagem do facebook.
Vale a pena ler, reler, vibrar e curtir essa essência de mulher, diva, mais que fodástica poetamiga, rainha da liberdade lírica, dos versos soltos, do que há de mais sublime na poesia, amigos leitores!

Com quantos paus se constrói uma canoa?
Com quantas despedidas se faz uma saudade?
Afundei meus pés na areia,
mas o vento escondeu as pegadas.
Peguei carona nas nuvens
e te vi brincando de brincar no chão.
Continuo voando,
mas te carrego no coração.
Viajo na lembrança do seu olhar
e saio sem sair do lugar.
Me perco nos seus desejos, medos, anseios...
Não sei o porquê.
Não sei entender... sei lá.
Com quantos sonhos se sonha uma realidade?
Com quantas realidades se pode sonhar?
Quando você foi embora eu fui também.
Você foi para a direita e eu virei à esquerda.
Deixei a porta de casa aberta
e um copo d'água em cima da mesa.
Quem sabe sua sede faz sua ausência voltar?
Descansei meu retrato no sofá
só para lembrar o que sua cegueira
jogou fora.
O mundo adora dar voltas.
A dor que um dia foi minha
agora é sua, toda sua.
Divirta-se!
Afundei de novo meus pés na areia
e o vento apagou totalmente as pegadas.
Janaína da Cunha
(Do livro: Versos Soltos)

quinta-feira, 1 de junho de 2017

O trovador eletrônico solitário Xharles, a nova face lírico-musical de Xarles Xavier

Hoje retomo a série “Leia essa canção” com mais uma letra de música fodástica do compositor-músico-amigo- de-longa-data Xarles Xavier, de São Gonçalo/RJ. Cantor de múltiplas faces, nesta nova canção ‘A gente se vê por aí”, Xarles revisita os velhos temas românticos das baladas do pop rock tupiniquim dos anos 1980, enriquecendo o ritmo com uma pegada eletrônica e flertando com novos rumos e ritmos musicais. 
O artistamigo sempre teve um repertório autoral variado e continua inovando – tanto que até seu nome artístico mudou para Xharles. “A gente se vê por aí” me lembra um misto de Legião Urbana nas fases iniciais, meio fase “quase sem querer”, ou Finis Africae, meio "armadilha", pelo ar melancólico que o intérprete dá à canção, somado ao refrão chiclete, constantemente repetido durante a canção, com a pitada pop eletrônica dos álbuns mais recentes de Léo Jaime (como o álbum “Interlúdio”, de 2008, mas ritmicamente também próximo de “Todo amor”, de 1995). Juntamente com a letra da canção, posto também o clipe da música, super bem produzido, protagonizado pelo próprio autor, o ‘trovador eletrônico solitário’ Xharles (sim, eu gosto de inventar termos, e sim, só os fãs do Rock Brasil sacam completamente a referência).
Agora deixemos a letra da fodástica música de Xharles tocar nossos olhos e leiamos o maravilhoso clipe da canção, amigos leitores!

A gente se vê por ai

Você pergunta: onde eu errei?
Enquanto tenta se convencer
E eu confesso: já me cansei
De tentar entender você

Faz tanto tempo e eu não tenho
Mais tanto tempo pra perder
Mas tenha calma, um dia desses
A gente ainda vai se ver por aí

A gente ainda vai se ver
A gente ainda vai se ver
A gente ainda vai se ver por aí

Você pergunta: onde eu errei?
Enquanto tenta se convencer
E eu confesso: já me cansei
De tentar entender você

Faz tanto tempo e eu não tenho
Mais tanto tempo pra perder
Mas tenha calma um dia desses
A gente ainda vai se ver por aí

A gente ainda vai se ver
A gente ainda vai se ver
A gente ainda vai se ver por aí

Segure a minha mão quando for dormir
Pode descansar, eu vou estar aqui
Quando você chorar e se você cair
Eu vou te levantar e te fazer sorrir

A gente ainda vai se ver
A gente ainda vai se ver
A gente ainda vai se ver por aí

A gente ainda vai se ver por ai
A gente ainda vai se ver por ai
A gente ainda vai se ver por ai

A gente ainda vai se ver por ai
A gente ainda vai se ver por ai
A gente ainda vai se ver.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Solidões Compartilhadas: A mais que fodástica luz lírica de Mayara Melido

Há pouco tempo, ela partiu da Escola Municipal Alcino Francisco da Silva, na região rural de Teresópolis/RJ, onde leciono Português, pois precisa trilhar novos caminhos, outra escola, outro universo para iluminar com sua imensamente radiante estrela. Ela retornou para Além Paraíba/MG, mas deixou sua marca na Escola Alcino, foi uma das artistalunas de maior destaque neste ano e nos anteriores, deixou um legado lírico que eu tive a sublime honra de conhecer e ver amadurecer, e, seja pra onde ela for, sei que ela brilhará intensamente, pois sua arte e jeito de ser emanam forte luz poética onde quer que passe, seja quanto tempo permaneça, ela tem a “asa eterna”, como diria a ilustre mestre-poeta Cecilia Meireles, e isso nada nem ninguém jamais poderá tirar dela. Seu nome é Mayara Melido e é com uma vasta e fodástica antologia de poemas dela que eu compartilho minhas solidões poéticas hoje. Tive o privilégio de ler a maravilhosa coletânea abaixo de poemas da jovem e hiper-talentosa Mayara Melido logo no início deste ano e, agora, vocês, amigos leitores, também terão essa benção lírico. Garanto que vão gostar, curtir, ler, reler e compartilhar, amigos leitores. Boa leitura e Arte Sempre!

Amigos imaginários

Perco-me em sonhos
No meio do nada
São meus refúgios
Luzes na escuridão

Tanto tempo sem falar com pessoas
Que amigos imaginários eu crio
Na morte de um amigo real
A solidão é completa

Proteger meus amigos imaginários
É o que me resta
Porque são meus últimos companheiros
Nesse maldito lugar.

Músicas me fazem lembrar
Da época sem solidão
Amanhã vai melhorar
Sempre há uma luz no fim do túnel, um novo despertar...
Mayara Melido



O amor, o tempo e o vento

O tempo passa
Como o vento:
De manhã está bem
E, minutos depois, está paralisado.

O tempo passa.
Um dia está arrogante, chateado, com raiva
E no outro conhece uma garota
Que te leva na lua de tanta felicidade.

O amor chega
Sem você perceber.
A alegria é tanta
Que quer que o tempo pare.

Todos os dias
Esperamos que essa pessoa chegue
Para saber
Com que roupa e humor ela vem.

Não pense muito,
A vida é uma só.
Apenas viva como se fosse o último dia,
Apenas viva bem.
Mayara Melido

Apenas viva

O tempo passa
Como se fosse uma tempestade.
Pessoas chegam e vão
Com uma palavra.

O amor chega
Num passe de mágica.
A velocidade é tanta
Que você nem percebe.

Pessoas mudam sua vida
Com apenas um sorriso,
Como se todos fossem felizes
Como eu era.

Não pense muito,
A vida é uma só.
Apenas viva bem,
Apenas viva!
Mayara Melido

A escolha

O amor chega
Sem bater na porta.
Quando percebemos,
Já estamos apaixonados.

Não dá para definir
O amor ou a paixão
Porque só sentimos.

Se nos apaixonarmos pela pessoa errada
Podemos nos destruir
Com a tristeza e a solidão.

O amor pode te transformar
Em uma pessoa melhor ou pior:
A escolha é somente nossa.
Mayara Melido



O risco

Apaixonar-se é arriscar-se
E temos que arriscar
Pois tudo na vida só conseguimos arriscando.
Mayara Melido

Contra o tempo

A vida passa tão rápido
Que nem percebemos...
Pessoas passam,
Nem notamos.

Não deixe o que pode fazer hoje
Para fazer amanhã:
O tempo é tão curto
Que temos que correr contra ele.

Faça o que te dê vontade,
Não faça o que o outro quer que faça,
Não pense muito no que vão dizer,
Pense apenas se vai ser feliz
Com sua decisão.
Mayara Melido