sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Hélida Suzy Silva e o Despertar do Foda-se

Ela foi minha poetaluna na época em que eu lecionava na E. M. Nadir Veiga Castanheira, em Três Córregos, na região rural de Teresópolis/RJ (eram tempos de sóis ingênuos sem a sombra trágica das chuvas daquele fatídico janeiro de 2011). Antes Hélida Silva, hoje opta por "Suzy Silva" (o novo nome que ela adota me faz lembrar da fodástica diva rock Suzi Quatro, que inspirou bandas igualmente fodásticas como The Runaways). Na época em que lecionava para a turma dela, entre 2007 e 2010 [quando eu já rascunhava meu livro "Foda-se! E outras palavras poéticas...", que só teria um formato definitivo anos depois e só seria lançado em outubro de 2014], ela me mostrava diversos poemas de sua autoria, entre eles um com um sonoro FODA-SE em caixa alta, entregue, confiado a mim numa manhã em que ela aparentava estar extremamente aborrecida (tenho procurado esse manuscrito desesperadamente entre as minhas diversas pilhas de papéis e, assim que encontrá-lo, o disponibilizarei aqui no blog). Naquele momento, nosso lirismo se harmonizara sem que soubéssemos (o livro-projeto "Foda-se! E outras palavras poéticas..." ainda era meio secreto e ela, sem saber, me entregara um poema que tinha tudo a ver com a proposta poética do livro). Outro poema de Hélida "Suzy Silva", intitulado "Meu Romeu" e inspirado em Romeu e Julieta, foi premiado com Menção Honrosa, no Concurso de Poemas da ALAP de 2010. Hélida "Suzy Silva" foi e sempre será uma poeta premiada (o poema já foi postado no blog na seguinte postagem: http://diariosdesolidao.blogspot.com.br/2011/12/alunos-poetas-que-brilham-romeus-e.html).
Depois das trágicas chuvas de janeiro de 2011, constantemente nos desencontramos (ora nos víamos brevemente num ponto de ônibus do centro da cidade de Teresópolis, ora ela me adicionava no facebook com o nome de Hélida da Silva, depois sumia, ressurgia como Suzy Marrentinha e agora como Suzy Silva).
Só no ano passado (talvez pra comprovar mais uma vez que 2015 não tenha sido um ano completamente ruim), realmente nos revemos menos inconstantemente e tive, por intermédio de sua namorada (atualmente noiva) Jéssica Ferreira), o privilégio de presentear Hélida Suzy Silva com um exemplar do livro "Foda-se! E outras palavras poéticas...", que ela tanto incentivou indiretamente para que fosse publicado (espero que o formato final do livro tenha agradado a ela, afinal parte dele amadureceu juntamente com a poética dela). O presente foi logo retribuído: Hélida Suzy Silva me confiou o privilégio de ler novos fodástico poemas e prosas poéticas de sua autoria, que hoje compartilho com os amigos leitores.
Os poemas de Hélida Suzy Silva tem aquela leveza lírica pesada, são românticos sem serem piegas, extremamente pessoais e lúcidos em uma loucura e estilo só dela.
Viajemos no lirismo fodástico de Hélida Suzy Silva, amigos leitores, com todo foda-se e todo amor.

Desabafo (ou Andando na rua e escrevendo, por enquanto é só esse pedaço)

Vou mandar todo mundo se fuder e ai de você se os defender, senão vou mandar até você e aí pode me esquecer, lamento por você  levar a culpa de quem tem q se fuder..
Deixa eu falar, deixa eu gritar, xingar e esquecer que tudo se acalma quando esse dia acabar..

Horas...

Foderia meu passado, se te contasse meu agora, meu depois de altas horas...
Foda-se meu presente, quero viver o meu agora, o nosso toda hora e nunca te esquecer em 24 horas.. Relógio, que me perturba, me tortura e me tira o foco e figura, esquece minha fase nessa Lua, que ira vir depois da chuva.
Quero ser tua, me perder em teu olhar e me achar em ti nua..
Sou tua Lua
Sou tua nua
Sou tua tua
Sou tua sempre e nunca
Sou tua pura
Sou tua rua
Sempre serei tua, e não importa em qual categoria de FODA- SE estivermos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário