segunda-feira, 27 de abril de 2015

Sarau Solidões Coletivas na Comuna da Esquina das Bicas aos olhos líricos de Karina Silva, Raniere Garcia e Marcio Souza

Realizar um evento do Sarau Solidões Coletivas na Comuna da Quinta das Bicas, espaço multicultural do quintal da casa do poetamestramigo mais-que-fodástico Gilson Gabriel, é sempre uma honra e um prazer indescritível! Neste último sábado de abril, dia 25, realizamos lá a festa lírica de aniversário de 3 anos do Sarau Solidões Coletivas, com o tema “COMUNA DA ESQUINA DAS BICAS: LIBERDADE E SOLIDÕES COLETIVAS AINDA QUE TARDIAS” - TRIBUTO LÍRICO AOS POETAS ÁRCADES E AO CLUBE DA ESQUINA. E, mais uma vez, o evento teve aquele brilho lírico mágico que só a Comuna da Quinta das Bicas, idealizada por Gilson Gabriel e por sua esposa Erli, sabe proporcionar!
Entre os momentos mágicos e inesquecíveis (esse e mais muitos outros estarão em breve em vídeo aqui no blog), destaco na postagem de hoje 2 eventos/(re)encontros marcantes: um antes e durante – o retorno de Karina Silva e Raniere Garcia ao Sarau com o fodástico poema-homenagem “Comuna das Solidões” – e outro antes, durante e depois – a estréia do poetamigo Marcio Souza, o Marcio Fazenda, no Sarau Solidões Coletivas (fez parte do animadíssimo público do evento e, nos próximos, prometeu estrear como declamador).
Karina Silva é uma das poetas-pilares do Sarau, musartista fodástica do lirismo underground, e, junto de seu namorado Raniere Garcia, realiza um trabalho fascinante como DJs na rádio Movimento Reggae (segue o link: http://www.movimentoreggae.com.br/) e, devido a esse compromisso e outros do abafado cotidiano nosso, os dois não podem comparecer a todo sarau, mas, fisicamente ou espiritualmente, estão sempre conosco e é sempre bom demais revê-los nos eventos.
Marcio Souza  foi meu professor de Português no ensino médio, é um dos mestres-poetas-pilares de minha escrita, já compartilhei poemas dele no marcador Solidões Compartilhadas e há tempos desejava encontrá-lo num evento do sarau; vê-lo no Sarau Solidões Coletivas da Comuna da Esquina das Bicas foi gratificante demais e ainda mais emocionante ao ler, logo no dia seguinte, o poema que ele fez dedicado a Gilson Gabriel, inspirado no evento que realizamos.
Devido a essa explosão de emoções e satisfação, resolvi trazer para o blog numa mesma postagem o poema de Karina Silva e Raniere Garcia, juntamente com o de Marcio Souza, para que os olhos dos amigos leitores possam, como eu, degustar essas maravilhas líricas. Boa leitura e Arte Sempre!  

Comuna das Solidões (Karina Silva e Raniere Garcia)

Mais uma vez
As solidões são coletivas
Na santa paz das Bicas

Sem o brilho do sol dourado
Em noites de Liberdade
Esperando a vitória da verdade

Pedindo aos seres iluminados
Que estão sempre ao meu lado
Nos dias de céu nublado
Seguimos mesmo com o coração desnorteado.

Com poemas rimados
Chamo meus amigos
Para juntar a emoção
E queimar a solidão.

É LÁ! (Marcio Fazenda)
Para Gilson Gabriel

Já foste a um sarau? Participaste de algum?
Pois bem, na casa de Gilson e de Erli,
De Gerson e de Lucinha,
De Ana e de Artur,
Tu te sentirias poeta...

Porque a poesia,
A poesia do mundo,
Está naquele quintal.
Lá, onde as máquinas cederam lugar aos homens,
Onde há partilha de alimentos e de alegrias,
E prevalecem o respeito, a liberdade e o amor,
A poesia está.

Pois a poesia entranhou-se nos tijolos das casas,
Na grama que licenciosamente pisamos,
Nos degraus sofríveis que descemos
E com dor no peito subimos
Para a partida de lá.

E cada encontro é um verso novo,
Repleto de metáforas
E sem ironias.
O quintal vira cordel, epopeia,
Cartas infindas de ternura,
Canções e rimas.

Pede a Deus um convite deles
E conhecerás o Paraíso.

Na Quinta das Bicas é assim.

 (26/04/2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário