quinta-feira, 9 de abril de 2015

Da série E...La Luna Nua: Hélio e as noites nubladas (ou Gás nobre contra as nuvens)

Foto do @projetolaluna
Hoje estreio no blog uma nova série de minicontos e prosas poéticas inéditos de minha autoria que, de vez em quando, será atualizada aqui: a série “E...La Luna Nua”, em homenagem ao @projetolaluna, espetacular “projeto fotográfico de ensaios sensuais femininos, poesia e estesia”, exposto no Instagram e idealizado pela mais-que-fodástica artistamiga Lainha Loiola (segue aqui o link para ver as fotos pelo computador: https://instagram.com/projetolaluna). Anteriormente chamado de @projetolalunanua, o projeto fotográfico sofreu sanções do Instagram (o site deletou a conta anterior ao @projetolaluna, pois alguns internautas acusaram o ensaio de ser “pornográfico” – ou seja, o projeto foi mais uma vítima da paranoia moralista que contamina nossa hipócrita contemporaneidade [como dizia Cazuza na canção “Medieval”, foi censurado pelo pessoal que está “na moda da nova Idade Média”]) e, por isso, considerei, em meu tributo lírico, resgatar no nome da série uma corruptela do nome original do projeto (acresci a conjunção aditiva “e “com reticências pra criar múltiplos sentidos [“E...La Luna Nua” ou “Ela Luna Nua” ou “E...Lá Luna Nua", dependendo da entonação (E fechado ou E aberto) e velocidade que o leitor lê o título da série]).
I
As estrelas - e logo também o meu protagonista,
"estrela" do miniconto -
são constituídos por gás hélio
nicio com um miniconto inspirado na nudez da própria lua exposta em nosso céu durante as noites (por sinal, a lua foi uma das modelos de Lainha no @projetolaluna) e, de forma figurada, usei a própria polêmica gerada pela suspensão/censura que o @projetolalunanua sofreu. O título “Hélio e as noites nubladas (ou Gás nobre contra as nuvens)” é uma brincadeira com o nome do elemento químico (torná-lo o protagonista lúcido-louco de minha pequena narrativa foi influência da leitura do livro “O Fantástico Mundo dos Elementos – A Tabela Periódica Personificada”, do formidável artista gráfico japonês Bunpei Yorifuji, onde o hélio é descrito como “o gás camarada que levanta nosso astral e nossa voz”) e uma referência à canção “Metal contra as nuvens”, da banda Legião Urbana (que contém versos maravilhosos como os da pontual primeira estrofe “Não sou escravo de ninguém / Ninguém, senhor do meu domínio / Sei o que devo defender / E, por valor eu tenho / E temo o que agora se desfaz”). E assim, sem “ter medo de ter medo”, começo a série “E...La Luna Nua”.
Boa leitura, amigos leitores! E... Arte e Sensualidade Sempre! Que nenhuma nudez lírica e autêntica seja novamente castigada!

Da série E...La Luna Nua:

Hélio e as noites nubladas 
(ou Gás nobre contra as nuvens)

Hélio costumava conversar com as nuvens em noites nubladas.
Em seus delírios, a noite organizava as nuvens em torno da lua e lhe perguntava:
- Que tal esse vestido pra lua, Hélio?
Alucinado pela limpidez lírica de Rimbaud, Hélio respondia:
- Ah, eu prefiro a lua nua, eu prefiro a lua nua, eu preciso a lua nua! – repetia três vezes em reverência à santíssima trindade de Marquês de Sade.
E ali Hélio ficava a noite inteira, até que o céu ficasse limpo e ele pudesse ver novamente sua musa plenamente pelada, despida de qualquer nuvem de razão.




Um comentário:

  1. Eu me apaixonei pelo Hélio, tão intenso e desejoso. Vai ser o galã dessa série e inspirar muitas musas a se livrarem das vestes mortais em noites enluaradas. rsrsrsrsr

    ResponderExcluir