sábado, 27 de dezembro de 2014

O Haicai ralado que escrevi no Balneário do Gaim

Hoje, à tarde, aproveitei a fodástica tarde de verão com os amigos, curtindo a natureza no Balneário do Gaim, em Valença/RJ. Mas nem nesses momentos a poesia me deixa (por mais escrota que seja ai, ai...): logo que chegamos ao Balneário, vi um rapaz, que estava andando nas pedras da cachoeira, tomar um tombaço e ralar as nádegas naquele ambiente natural – nada muito grave, mais ferido provavelmente saiu seu orgulho, mas a cena me inspirou um poema cretino, bem ao estilo poema-piada do poeta modernista Oswald de Andrade em sua primeira fase.
Diante da queda do rapaz no meio de tanta natureza, resolvi brincar com o gênero poético haicai (ou haiku) – o meu poema segue a forma tradicional do gênero (3 versos – o primeiro e o terceiro com 5 sílabas poéticas e o segundo com 7), mas seu conteúdo só serve ao trocadilho sonoro com o nome desse tipo de poema. Como eu disse antes, o conteúdo e valor do poema são absolutamente questionáveis, mas como o haicai me veio à cabeça na hora, trago em primeira mão [e cretinice] o pequeno poema-piada.

O Hai cai ou hAi ku

Foi na cachoeira
e ralou a bunda inteira
descendo a pedreira.

Um comentário: