sexta-feira, 25 de julho de 2014

Cem Poemetos de Solidão: Poemeto LXXXV

LXXXV


Ok, jornalista cético, eu confesso: jamais escrevi uma só linha. Macondo, Gabriel, Márquez, García, o mundo inteiro, meus livros, minha morte e minha vida, são tudo mentira! Por sinal, senhor jornalista, não podes gravar esta entrevista, pois tu e eu também são fantasias minhas...


Nenhum comentário:

Postar um comentário