sexta-feira, 4 de julho de 2014

Cem Poemetos de Solidão: Poemeto LXXI

LXXI

Não mereço a coroa de rei da fantasia. Dê esse prêmio àquele meteorologista – sua previsão de tempo é a obra fictícia mais magnífica que já li em toda minha vida.


Um comentário: