terça-feira, 10 de junho de 2014

Solidões Divinamente Compartilhadas: Amores e Devaneios de Eli Nandes, o Poeta Anjo Azul

Há poetas que parecem ter sido tocados desde os tempos remotos por uma espécie de iluminação divina que torna o lirismo deles mais fascinante que o de outros poetas, há poetas que não fazem apenas versos – eles vão muito além: abrem asas e voam lirismo em nossos olhos para sempre encantados com a graciosidade e brilho do poeta anjo. 
O paulista Eli Nandes, atualmente residente em  Jataí/GO, o “Poeta Anjo Azul”, é um modelo fascinante desse gênero de poetas – quando pousamos os olhos em seus versos, de imediato seu lirismo se abriga em nossa leitura, fazendo ninhos de sonhos, construídos harmonicamente na loucura lúcida, na sensibilidade à flor da pele. Há poetas que são mais que poetas, pois controlam tempestades emocionais com a serenidade de sua pena poética; há poetas que brilham eternamente como anjos, como anjos que atravessam o universo celeste, há poetas que simplesmente brilham naturalmente com sua luz intensamente lírica e divinamente azul.
Tive a oportunidade de conhecer os mais-que-fodásticos poemas de Eli Nandes através do facebook ( aí vai o link da página do poetamigo pra você curtir e se extasiar com o inigualável lirismo deste fodástico artista, amigos leitores: https://www.facebook.com/PoetaAnjoAzul?fref=ts ) e resolvi trazer algumas dessas obras-primas aqui para o blog, afinal tamanho lirsmo merece ser compartilhado e recompartilhado com todos.
Voemos nas asas do lirismo do fodástico poetamigo Eli Nandes, o Poeta Anjo Azul, amigos leitores, e deixemos que sua arte nos leve para um lugar maravilhoso, encantador, onde a poesia reina como senhora divina e absoluta de nossos sonhos, amores e devaneios.

Ama-me
Hoje,
Amanhã,
Depois
E Depois de
Amanhã
Também.
Ama-me aqui
Ali e lá,
E até acolá...
Ame-me
A qualquer
Momento
E em qualquer lugar.
Ama-me
A todo dia,
A toda hora,
A todo minuto.
Ama-me de
Algum jeito,
De qualquer jeito
Ama-me sem
Pretexto,
Ama-me
Com razão.
Ama-me
Por todos os motivos,
Ou nenhum motivo!
Ama-me
Simplesmente,
Por amar somente!
Por isso
Ama-me assim
Assim sempre!
Assim,
Enfim...
Até o
FIM!



Devaneio

Brinca
O mistério
Das janelas
Da minha
Alma,
E na porta
Do meu
Mundo,
Equilibro-me
Nas palavras
No meu
Espaço.
O verso me nega
A morte.
E vivo morrendo
No meu
Poema
Meu viver
É meu ser
Invadido
Pelas palavras
De amor
Que
Oscilam


Um comentário:

  1. Queria ser poeta

    Ah! Como eu queria!
    Se pudesse,
    Deixar de tanto
    Sonhar.

    E amar
    Por amor de
    Amar.
    Viver
    Mais do que morrer,
    Sofrendo mais
    Por amar
    Demais.

    Amar o olhar
    O olhar do amor
    De quem se ama.
    Sem a amargura
    De ter de sentir dor
    Da ausência do amor.

    Sonhar
    Um sonho lindo
    Não sou nada
    Sou tudo
    É o que sou.

    Poeta do amor
    E da beleza,
    Poeta do
    Azul...
    E da realeza
    Do poema
    Um
    Anjo!Azul!

    Eli Nandes
    Poeta Anjo Azul

    Obrigado querido amigo Carlos Brunno! Você me deu um grande presente, divulgando minha página e meus escritos... Obrigado de coração.Isto nos encoraja a continuar!Serei sempre grato!

    ResponderExcluir