quarta-feira, 18 de junho de 2014

Cem Poemetos de Solidão: Poemeto LVI

LVI


A dor que gemo é um prazer de invento, senhor moço. Quando o câncer come o meu corpo, minha mente febril cria com mais gosto e, assim, eu fodo com as damas mais doces de meus mais maravilhosos contos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário