terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Solidões compartilhadas: O Puro Encantamento de Natália Oliveira

Após uma semana de aulas, nós, professores, vamos recuperando o ritmo frenético das aulas e do ano letivo (que já aparenta ser agitado, por ser um ano de Copa do Mundo, Olimpíada de Língua Portuguesa, etc). Impossível, após um tempo de carreira, não pararmos por alguns instantes e vermos quantos talentosos poetalunos passaram por salas onde lecionei. Nem um quádruplo desses fodásticos artistalunos já foi contemplado aqui no blog, o que me dá uma sensação de estar sempre devendo destacá-lo; o tempo passou, mas suas artes de encantamento com as palavras ficam.
Natália Oliveira (ao lado
da orientadora pedagógica,
à direita) na Escola Municipal
Nadir Veiga Castanheira, em 2010
Por isso, hoje tenho o prazer de compartilhar com mais uma fodástica poetaluna para quem tive o prazer de lecionar em minha antiga escola, a Nadir Veiga Castanheira, em Teresópolis/RJ, entre 2009 e 2010, a talentosa Natália Bento de Oliveira, escritora nata, que produzia poemas febrilmente, desde obras poéticas mais tradicionais a poemas neoconcretistas, passando por poemas contemporâneos sobre filmes aos quais ela assistiu (em outra postagem, em breve, revelarei esses grandiosos poemas, cujas cópias estão guardadas comigo há 4 ou 5 anos).
É momento de nos encantarmos com a arte da fodástica poeta Natália Bento de Oliveira, amigos leitores!

Puro encantamento

Quando me lembro de ti
Não te vejo só na mente.
Ficas então bem pertinho,
bem vivo na minha frente.

No meu coração, a alegria invade
e traz o amor mais ardente,
minha cabeça levanta
para te olhar meigamente.

No mais puro encantamento
olho-te então fixamente
querendo que este momento
fique vivo eternamente.

Um comentário: