domingo, 23 de fevereiro de 2014

Solidões Compartilhadas: Domingo em família com Roberto Carlos Ferrari Júnior

Quadro do artista plástico e caricaturista mineiro Mônico Reis.
Caso queiram conhecer melhor o trabalho do fodástico artista,
visitem seu blog (segue o link: http://monicoreis.blogspot.com.br/)
Passeando por arquivos antigos de meu jurássico (porém, ainda extremamente útil) computador, reencontrei velhos poemas de jovens poetalunos que tive o privilégio de conhecer na época em que eu lecionava na Escola Municipal Nadir Veiga Castanheira, em Três Córregos, Teresópolis/RJ.
Entre os arquivos encontrados, revi o poema “Domingo”, escrito por Roberto Carlos Ferrari Júnior. Na época (2007), o aplicado poetaluno estava no oitavo ano (antiga sétima série) e, após eu fazer uma oficina poética sobre poemas de família, Roberto Carlos Ferrari Júnior, com sua extrema dedicação e rigor (ele passou pelo oitavo ano com notas louváveis), produziu o poema “Domingo”, no qual o talentoso rapaz descreve liricamente um dia de domingo com a família. O poema ainda sagrou-se terceiro colocado no Concurso de Poesias realizado na escola. Há pouco tempo, revi a mãe do rapaz e, segundo ela, Roberto Carlos Ferrari Júnior segue firme seus estudos e, atualmente, está na faculdade (se não me falha a memória, ele está fazendo Direito).
Reparamos no poema de Roberto Carlos Ferrari Júnior um rigoroso trabalho rítmico (reparem que as rimas em ar, ainda que pobres – ou seja, rimas de palavras da mesma classe gramatical, no caso verbos -, buscam retratar o conforto e alegria de estar em família [rimas em ar são abertas, transmitem positividade, energia, etc]), um lirismo encantador que sublima acontecimentos simples do cotidiano familiar somado a um verso final que arremata de forma grandiosa e bela o fodástico poema (soa até melancólico para nós, pessoas mais velhas, que percebemos a desintegração gradativa da unidade familiar tradicional, à medida que perdemos familiares e/ou o tempo voraz vai consumindo e desgastando as relações familiares).
Um belo poema chamado “Domingo”, de Roberto Carlos Ferrari Júnior, para brindar o belo domingo de sol de hoje, cheios de boas lembranças e ao lado de minha mãe Vanda, de minha namorada Juliana e de um lirismo inconfessável que me faz sorrir (e, às vezes, chorar...). Boa leitura, amigos leitores!  

Domingo

No domingo
nós cinco em volta da mesa
a almoçar.
Depois, na piscina,
eu e minhas irmãs a brincar.
Depois de brincar
meu pai me chama
para ver o jogo do Fla.
Ao torcer, meu pai e eu
fanáticos a gritar.
No gol, a emoção
de ver o Mengão campeão.
Minha mãe a cozinhar
chama-nos para lanchar.
Após assistir à televisão,
minha família vai se deitar.


            Mais um domingo de paz...

Um comentário: