quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Semana Mais Que Moderna dos 22: Sozinhos, somos 22. Juntos somos mais 22 ainda!

Demorei para voltar a postar no blog, mas retorno com uma lembrança épica, heróica, mais-que-lírica, antológica, do primeiro semestre deste ano!
Um dos eventos realizados no primeiro semestre com meus poetalunos da Escola Municipal Alcino Francisco da Silva, em Teresópolis/RJ, foi a “Semana dos 22: A poesia mais que moderna do Alcino”, inspirada na histórica Semana de Arte Moderna de 1922.
Durante semanas, apoiado pela professora Neiva, de Artes, e incentivado pela professora Kelly, de História, estudei, com os nonos anos, as características e tendência do Modernismo brasileiro, através de textos informativos, vídeos e poemas de Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Ronald de Carvalho e traduções dos poemas do poeta francês Blaise Cendrars, escritor estrangeiro influenciador e influenciado pelas tendências vanguardistas brasileiras. Após isso, realizamos debates, planejando uma poética nova, vanguardista, mais que moderna, inspirada em temas do interior teresopolitano, da juventude contemporânea e das novas tecnologias. Inspirados nisso, os poetalunos produziram seus poemas mais-que-modernos, verdadeiras obras-primas da vanguarda jovem teresopolitana (assim como o francês Cendrars foi o instigador e ao mesmo tempo o influenciado pelo movimento modernista brasileiro, eu lancei a ideia e acabei tomado pelo novo lirismo que os poetalunos genialmente inventaram e também produzi um poema no estilo criado por eles). Produzidos os poemas, lançamos a semente mais-que-moderna e realizamos o “Sarau dos 22: Sozinhos somos 22, juntos somos mais 22 ainda”, na sexta-feira, dia 24/05/2013, após as 10:40h, na E. M. Alcino Francisco da Silva, na BR 116 KM 40, s/n.º, na Vila do Pião, em Teresópolis/RJ! Foi um evento pra sapo nenhum botar defeito em Oswald de Andrade e cia!
A postagem de hoje traz alguns dos poemas mais-que-modernos criados pelos meus poetalunos e por mim. Além disso, posto também o vídeo que desde maio está rolando na internet com o animadíssimo “Sarau dos 22”, que foi magistralmente apresentado pelos poetalunos dos nonos anos, teve a participação especial da poetaluna Lauany Rodrigues, do 8.º C (os poemas dela já estão em postagens anteriores, por isso não os publiquei na coletânea abaixo) e um super-apoio da plateia animada dos alunos da E. M. Alcino Francisco da Silva.
Vamos continuar revolucionando com arte, amigos leitores!

Coletânea de poemas 
mais-que-modernos

Camaro Zero

Stop.
A Teresópolis parou
ou foi o Camaro Amarelo?
(Kesley Branco – 9.º A)

Quadradinho de oito do Sérgio Lobisomem

O funk invadiu o Alcino,
MCs agitaram a galera,
Vários hits cantaram,
Até de Camaro chegaram,
Homens, mulheres e até crianças dançaram.
Sérgio Lobisomem fez o quadradinho de oito;
Todos riam e diziam:
“Que mau gosto de um velho ranzinza”
E sem graça ele saiu
Mas no fundo orgulhoso
De ser um homem popular pelo povo!
(Karina Mello de Siqueira – 9.º A)

Funkeira de coração

Sou funkeira,
gosto de descer até o chão
e requebrar de montão.

Sou funkeira de coração,
gosto de ouvir o batidão,
gosto de descer,
causar é meu maior prazer:
se eu estou causando
é porque todos estão gostando!
(Camila Gomes Soares – 9.º B)

Água Quente

Vivo feliz nesse lugar,
Onde há árvores em que posso subir,
Terra em que posso correr
E ar puro que posso respirar.

Da Água Quente não vou sair
Pode crer
Terminarei minha juventude alegre
Feliz eu quero ser

Não há outro lugar onde eu quero ir
Brincar, correr, chorar, sorrir
Faça frio ou sol, estarei aqui

Até a minha idade me buscar
E dona de mim eu ser
Em Água Quente eu vou viver
(Thayslane Freitas – 9.º Ano A)

Mandioca poética

A mandioca nasce no mato.
Se o mato morrer, a mandioca morre.
A cidade de Teresópolis tem muita mandioca.
As pessoas do meu lugar gostam muito de comê-la
no café,
almoço
jantar.
Ela faz bem pro Sérgio Lobisomem,
Deixa o pêlo dele mais horripilante.
(Daiana Rosa – 9.º Ano A)

Como um pétala de Santa Cruz

Um lugar deslumbrante,
Como a pedra de um diamante,
Sereno como o deserto
E alvejante como uma pétala.

Sem progresso, sem buzina,
Só com doces cantorias,
Arrocha leve e funk pesado,
Oh, que Santa Cruz falada!

Que bom estar ali,
Quero muito curtir
A vida com o meu namorado
Sem precisar lembrar do passado.
(Marliane dos Santos Silva – 9.º Ano B)

Cão sem dono

Ser, adolescender é amar como cachorro,
Que não tem o seu valor.
Grita, chora, late
Quando está só.
Seu destino passa por cima
E acaba com todas as sobras
Que vão embora
Como tudo que passamos juntos.
(Igor Murta – 9.º Ano B)

Mulher

Mulher da vida
Mulher de todos
Só pode ser ela em chamas;
Igual a ela nunca vi
Mulher brasileira.
(Carolina Leal Queiroz – 9.º B)

A menina mais piriguete

Menina da rua
Menina que bebe
Menina que diz ver a lua
Mas que só presta pra andar na rua

Garota de short curto
Garota de mente perdida
Garota que diz ser ingênua

Menina arrogante
Esquisita prepotente
Menina que diz falar pouco
Menina que diz não aparecer
Mas não passa de uma vitrine
De tantas coisas expostas
Que há nessa menina garota piriguete
(Érica, Carina e Carolina – 9.º Ano B)

Ingênua

Menina ingênua
Pelo menos é o que diz ser
Menina brincalhona
Boba extrovertida

Menina que vive
Com os pés no chão e a cabeça na lua
Menina moderna
Menina que não liga
Pro que os outros dizem
Mas que está antenada com tudo
Essa menina sabe ser menina

Doce menina, menina, menina, menina
(Érica, Carina, Carolina e Maria Luiza – 9.º Ano B)

Acordando o Mundo

O mundo acorda
já com a guitarra soando.
Rock é vida, rock é paixão,
Rock é música da mente e do coração.

Lá fora o mundo é louco
sem perdão nem compaixão
disse isso a banda Charlie Brown Jr.
Que descanse em paz o eterno Chorão!
(Maiara de Souza Branco – 9.º A)

Romântico

Fui ao Rio ver o Cristo Redentor:
Ele estava cantando
Para a Mulher de Pedra,
Parecia mais um verso de Amor.
(Luciano Peixoto da Silva – 9.º A)

Amanhecer

Uma luz deslumbrante
começa a apontar no Dedo de Deus,
acordando a Mulher de Pedra
e despertando a Tartaruga.
(Wallace Jonas Pimentel da Luz- 9.º A)

A Escultura

Lá está o Dedo de Deus,
apontando para o céu,
onde está o Criador
que o esculpiu
num dia de louvor.
(Tâmara R. de Freitas – 9.º A)

Mirante

Teresópolis é uma cidade maravilhosa,
tem o Dedo de Deus que está sempre apontado para o alto,
como se nos lembra-se que Deus está lá em cima
e jamais nos esquecerá.
(Gabriella Azevedo de Amorim – 9.º A)

Somos difíceis

Somos difíceis,
Mas o amor em nós existe.
Na infância, dançamos, gritamos e pulamos
E também muitas pessoas encantamos.

Na infância muitas coisas conhecemos
E momentos bons vivemos
E enfim crescemos
E adolescentes agora somos!

É o momento de descobrir
E dos nossos pais exigir
Paciência e muito amor,
Pois a eles daremos mais valor!
(Danile – 9.º B)

Santa Cruz

Santa Cruz,
lugar onde irei morar,
sem praia e com sol,
mas paz conseguirei achar.

A vida lá é tranquila,
sem raiva,
com muito amor e harmonia.

Essa é a Santa Cruz,
lugar feliz
e cheio de luz.
(Neliane dos Santos Silva – 9.º B)

Uma vida ou um dia

Uma vida toda sozinha,
Um dia apenas com as amigas...
Será assim pra sempre
Ou terei mais momentos de alegria?
(Carolina Leal – 9.º B)

O Lobisomem

Estudo com a filha do Lobisomem,
vejo Camaros amarelos
aprendendo a fazer o quadradinho de 8.
(Yohana da Cunha Dias – 9.º A)

Mulheres e homens no momento

Mulheres mandioca
homens musculosos
usam o funk como trabalho
(Yohana da Cunha Dias – 9.º A)

No cinema

No escurinho do cinema
namoro escondido,
comendo
Kit Kat,
pipoca
e Nuttela.
(Yohana da Cunha Dias – 9.º A)

De onde vêm as verduras e os legumes

De onde vem o chuchu?
De onde vem o pepino?
Vem de lá,
onde o ar é menos poluído.
Temos muitas montanhas,
onde os morros são verdinhos,
as casas são simples,
porém bem arrumadas.
(Yohana da Cunha Dias – 9.º A)

De onde vem a tecnologia

De onde vem a tecnologia?
De onde vem?
Das cidades grandes.
Rio de Janeiro, cidade maravilhosa,
Vejo o Cristo Redentor,
O Pão de Açúcar,
O Corcovado.
(Yohana da Cunha Dias – 9.º A)

Garota

Garota apressada que bota a carroça na frente dos bois
Garota que só pensa em casamento
Garota que não sabe o que o futuro lhe reserva

Garota que não pensa em curtir, só se amarrar
Garota que reclama de tudo
Garota que não pensa no que faz
Garota que não mede a consequência de seus atos
(Carina, Érica, Carolina, Maria Luíza – 9.º B)

Cresci assim

Me faz viajar ou até mesmo delirar
Com música internacional nos meus ouvidos
Me faz comer Chokito.
Todo ritmo animado, sensacional me traz alegria,
Mas quando ouço funk, aí eu piro.
Meu corpo remexe e traz alegria até pra minha tia!
Enfim, não posso mudar, já cresci assim...
(Quézia Ferreira Lopes – 9.º A)

Cada um no seu quadrado

O funk na favela,
O alface na Água Quente
E o Sérgio Lobisomem espantando muita gente.
(Juarez Junior Charles Maia – 9.º A)

Moro em Volta do Pião,
lugar que gosto
e tenho um cão.

Sou uma adolescente,
tenho dúvidas
que atormentam minha mente.

Gosto de dançar,
mas meu namorado
diz pra eu parar.

Mas tenho mais felicidades,
porque na minha vida
não tem maldade...
(Greiciane Matias – 9.º B)

A viagem

Os MCs cantando
Quadradinho de oito e dançando.
Com essa música
Eu posso até viajar.
(Guilherme Martins – 9.º A)

O bom mesmo

Vou até passar
Pelo Pão de Açúcar e pelo Cristo Redentor
Mas o bom mesmo
É o interior!
(Guilherme Martins – 9.º A)

A vida

A vida, grande e mera
imensa ilusão

Curta e pequena
movimentada e lenta

Essa é a vida
a vida da gente
é o que todos sentem

Essa é a vida
estreita e reta
difícil e fácil

Pra viver de verdade
não há o que pensar

Essa é a vida
estamos aqui pra sonhar!!!
(Wanessa Andrade – 9.º B)

Este poema eu faço pra você
Uh tererê!
A Terê continua linda
Apesar das ruínas
Terê terê
Apesar de você não ver
A revolução está fluindo
No Dedo de Deus
No Dedo de quem escreve Deus
No dedo de quem escreve
Este poema que eu faço pra você
Esta arte que está em mim e em você
Esta vida nova que você não vê
Uh tererê!
Salve a poesia nova!
Salve Terê terê!
Salve eu e você!
Salve tudo que você não vê!
(Carlos Brunno S. Barbosa – Professor-poeta-pateta de Português)

Cristo Redentor
Era um cantor
Que falava da dor
De um amor
(Yuri – 9.º A)

A música em nós

Com a música podemos viajar
uma janela pro mundo sem sair do lugar
versos e estrofes
de culturas a se expressar.

em uma coletânea de ritmos 
podemos até dançar
cada música tem
seu momento para se escutar

música, música, música,
melodia para alma se acalmar
música ,música, música,
melodia pra relaxar.

(Guilherme Martins - 9.º Ano A)


Um comentário: