sábado, 13 de julho de 2013

Meus poemas femininos: Mil e Uma Noites de Sherazade

Meus eus líricos femininos retornam ao blog, desta vez tomando o corpo de Sherazade, a personagem árabe cujo destino heróico é contar histórias durante mil e uma noites para entreter, seduzir e evitar ser morta por seu rei e algoz (o rei, devido a uma desilusão amorosa, havia decidido desposar e sacrificar uma moça por noite, mas, devido à habilidade de Sherazade de narrar histórias que se cruzam a outras narrativas, exigindo sempre continuidade na noite seguinte, o projeto assassino do rei é desfeito pelo domínio – disfarçado de subserviência - de sua contadora de histórias).
Em tempo: O poema abaixo será declamado no próximo evento do Sarau Solidões Coletivas, o “Sarau Mil e Uma Noites de Solidões”, nossa contribuição e participação poética do Almoço Árabe Beneficente da Associação Valenciana de Proteção aos Animais (AVPA), que acontecerá na Cantina Água na Boca, na rua atrás da Catedral, em Valença/RJ, neste domingo, dia 14 de julho, a partir das 11:30h.
Dancemos com os cantos e encantos de Sherazade, amigos leitores!
 
Mil e uma noites de Sherazade

Vem me ferir, príncipe da dor,
com sua espada faminta de rancor,
mas não me mate, triste alteza,
para que eu possa lhe mostrar quanta gentileza
há na lâmina nervosa que tão faminta
corta minha alma calma,
para que eu possa lhe mostrar toda nobreza
de sua arma furiosa em minha carne íntima,
outrora morta, agora salva
pela serpente viva de seu veneno frustrado de amor.

Veja-me dançar, príncipe ferido,
enquanto sua espada segue seus instintos assassinos
e me penetra inicialmente lenta,
sedenta,
depois constantemente acelerada,
à medida que me corta, mais veloz
e feroz...
Corta meu corpo, homem sofrido,
mostra-me todo amor perdido,
mas deixa minha voz intacta
para que eu possa lhe encantar com minha lábia
e tornar sua fúria minha aliada,
para que eu possa lhe cantar mil fábulas
que acalmarão sua espada...

Aprisiona-me em sua falta de paz,
alteza de todos os ais,
mas deixa-me gritar livre em seus ouvidos surdos
os prazeres mágicos desse tormento absurdo...
Penetra-me furiosamente com sua violência generosa,
príncipe louco,
mas deixa-me narrar todo heroísmo delicioso
de morrer consigo nesse perigoso calabouço...
Mostre-me toda a sua tortura
que eu lhe ofereço mil e uma noites de aventuras
nesta desventura;
mostre-me toda a sua crueldade
que eu lhe apresento mil e uma vantagens

de vivermos pra sempre assim - presos em liberdade! 

4 comentários:

  1. Oiê! Amei essa prisão em liberdade! maravilhoso!
    http://rose-sousacoracaodefera.blogspot.com.br/
    Um lindo find pra ti!

    ResponderExcluir
  2. Carlos Brunno meu parceiro vim pedir um favor pra vc, Me ajudar a divulgar meu blog, principalmente pq criei um novo quadro no meu blog. e como versa sobre rock, acho que seu público pode se interessar também, vou colocar o link da postagem dá uma olhada lá e me dá uma força, se puder, sem forçar a barra... Um abç

    http://poesiatuttifrutti.blogspot.com.br/2013/07/um-poeta-no-rock-syd-barret.html

    ResponderExcluir
  3. Estou apreciando a novela, e admirando as escritas em forma de poemas!

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema, amei do fundo do meu core, <3.<3

    ResponderExcluir