sábado, 6 de abril de 2013

Solidões noturnas compartilhadas: A noite escreve Carlos Orfeu


Noite quente de outono... É nesses momentos especiais que a poesia do poetamigo Carlos Orfeu, fodástico artista de São Gonçalo, retorna às solidões compartilhadas do blog: lírica, efervescentemente gélida, escuridão brilhando sem cessar.
Celebremos as noites que nos escrevem, amigos leitores!

A NOITE ME ESCREVE

A noite me escreve
uma elegia
lírica, gélida,
lívida no prelúdio
de minhas horas.

Plangente ode que o peito tece,
sente, guarda-me no ventre
à noite.

Me guarda e me solta
no ar;
escreve em minha alma
seus rastros,
quando parte
me deixa uma
estrela cintilando
sem cessar...


2 comentários:

  1. Meu caro amigo, como sempre suas poesias tão intensas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado ao amigo poeta Carlos Brunno pelo espaço
    E obrigado a amiga Helene Camille, pelas sempre belas palavras

    ResponderExcluir