quinta-feira, 28 de março de 2013

Solidões revoltadas compartilhadas: João Júnior, cansado de papos de papas


“Já que a solidão é coletiva, compartilho meu desabafo contra a rede globo e a massificação das notícias sobre novo papa, e aproveitei pra falar de tudo (acho até que perdi um pouco o foco do que queria dizer... ou não, rs).”
Foi assim que o poeta valenciano João Júnior me descreveu o fodástico e mais recente poema, escrito por ele e compartilhado aqui hoje com aqueles que também são da opinião de que a Rede Globo, cada vez mais, não tem nada pra acrescentar aos seus já alienados telespectadores.
Um dos poemas críticos mais fodásticos que já li, digna de outros grandes poetas críticos sociais que já apareceram por aqui, como Gilson Gabriel e Luiz Guilherme! E não, o escritor João Júnior não perdeu o foco.
Faça um favor para si mesmo neste feriado, amigo leitor: deixe a tevê desligada!

Desde os tempos do plim-plim

não me venha com papo de papa
não me venha com papas na língua
não tente calar-me, não tente
deixar minha mente à míngua
conheço bem seus trejeitos
sua lábia televisiva
mantendo tudo a seu jeito
mantendo a nação passiva

um reality show na tv
para nossas reality vidas esquecer
uma novela em horário nobre
pra nos conformar em sermos pobres
nos conformar com os impostos
e com o que nos é imposto
goela abaixo e sem gosto
pra que ninguém se mostre oposto

mas sente-se, relaxe, ligue a tv
pois a gente se vê por aqui
só o que não dá pra se ver
é a mediocridade a nos possuir
mas temos uma mensagem pra você
sempre que o ano chega ao fim
de um novo dia e um novo tempo que começou
e que sua vida não está tão ruim
a velha dose de falso otimismo
desde os tempos do plim-plim

e assim seguimos espectadores
seguimos na expectativa
de que alguém comece a revolução
mas apenas reclamamos da vida
num balcão ou num salão
tomando cerveja, fazendo chapinha
buscando alívio pra essa pressão
criticando a forma que o país caminha
quando o que é certo está na contramão
e o errado é quem anda na linha.


4 comentários:

  1. Disse tudo que eu queria dizer em prosa...só que em verso!!!!

    ResponderExcluir
  2. Tenho ido para os outros canais. Quando tá tudo muito ruim ligo o som que fica tudo bem. ". . . não desejamos mal a quase ninguém".
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Cola no teu blogue meu poema que falo do Facebook. É como uma solidão na multidão.
    Obrigado,
    beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Com certeza, vou ler, Janice Adja, e ter o prazer de compartilhar minhas solidões coletivas pela primeira vez com você!!! ;)

    ResponderExcluir