terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Nenhum poema de amor (Apenas uma canção desesperada)


Não sei se posso dizer que o poema que posto hoje é uma homenagem ao poeta chileno Pablo Neruda, autor de “20 poemas de amor e uma canção desesperada”. Não sei, Neruda, pois, ao contrário do título do seu livro, desfaço dos 20 poemas de amor; no momento, só tenho a canção desesperada.
O poema faz referência a um dos livros mais famosos de Pablo Neruda e cita a data de dois momentos trágicos que me marcaram nos últimos anos: as chuvas na região serrana do dia 12 de janeiro de 2011 e o suicídio de Adriano Gonçalves (hoje faz 7 dias do recebimento da notícia de sua morte). É triste, mas é uma tentativa de canção sem arranjo, uma canção silenciosa e desesperada, uma canção, como gostamos sempre de lembrar Adriano; com e como música, que permanece no infinito.
   
Nenhum poema de amor 
(Apenas uma canção desesperada)

Eu tinha 20 poemas de amor
Para te molhar,
Mas a chuva levou 12 deles,
Quando a enchente inundou
A sala de estar.
Um arco-íris até apareceu,
Após a noite de terror.
Mas foi rápido demais,
Perdeu a cor
E não vi nada:
Agora são 8 poemas de amor
E uma canção desesperada.

Eu tinha 8 poemas sobreviventes
Para te aquecer,
Mas o fogo incendiou 7 deles,
Quando a vela do amigo ausente
Terminou de queimar.
O calor até aumentou,
Após o sétimo dia de dor.
Mas ainda é recente demais
Pra se falar de ardor,
Pra se inventar contos de fadas:
Agora é apenas um poema de amor fingido
E uma canção desesperada.

Eu tinha 1 poema de amor sozinho
Para nos acompanhar,
Mas a carência o amargurou.
Quando o céu nublou,
Ele quis se apagar.
Um coração até bateu,
No instante em que ele desapareceu.
Mas estava cansado de apanhar,
Perdeu o ar de sonhador
E encontrou o nada:
Agora é nenhum poema de amor,
Apenas essa canção desesperada...


Nenhum comentário:

Postar um comentário