domingo, 7 de outubro de 2012

Mais um dia de uma eleição qualquer

Nesse dia de eleição, a crônica que posto hoje não merece grande introdução. É apenas um lamento desiludido. Sinto muito, leitores cidadãos.


Mais um dia de uma eleição qualquer          

Hoje é mais um dia de uma eleição qualquer. Mais um dia em que o adjetivo ‘cidadão’ é dado para mim e para o restante daquilo que chamamos de povo, como se todo mundo fosse a massa do mesmo bolo. Hoje é mais um dia em que somos reis; todos nos procuram e perguntam pra quem arrendaremos o trono do reino falido. Mais um dia de falsos amigos e conspiradores do reinado. Hoje é um dia qualquer de liberdade para escolhermos nossa masmorra de quatro anos. Mais um dia de promoções de sonhos, mas honestamente, desde o fim dos Beatles, eu não sonho mais. Ou seja, hoje é um dia qualquer pra relembrar os sonhos mortos que eu nunca tive.
            Olho a praça do bairro São José das Palmeiras, na cidade de Valença/RJ, queimada pelo sol simpático de outubro. Vejo a praça do bairro São José das Palmeiras destruída, cercada por ruas pichadas por um asfalto novo e efêmero (os buracos foram fechados, mais uma vez antes de uma eleição qualquer, devidamente preparados para reaparecem após esse dia de sonhos falsos e promessas desfeitas). Olho a praça do bairro São José das Palmeiras; crescemos juntos, mas o tempo foi mais cruel com ela... Vejo a praça do bairro São José das Palmeiras, com seus símbolos desfeitos (a escultura despida, o chafariz arrebentado, os bancos apodrecidos, as grades quebradas, a grama sem vida, o sol que não esconde o quanto a praça de minha vida foi ferida pelos reis de todos os outubros, pelos donos do poder dos progressos e regressos, do passado e do futuro). Olho a praça do bairro São José das Palmeiras, corrompida pelos papéis de mais essa eleição qualquer, cercada por homens que carregam números de corrupto poder e sorrisos de photoshop. Vejo a praça do bairro São José das Palmeiras, cada vez mais suja, cada vez menos ela mesma, a cada eleição qualquer.
            Mais uma vez passo pela praça do bairro São José das Palmeiras, ex-beleza da ex-Princesinha da Serra. Mais uma vez passo pela praça do bairro São José das Palmeiras e minha tristeza é um voto nulo nesse dia de mais uma eleição qualquer. Mais uma vez passo pela praça destruída, o meu coração na mão, carregando o título de eleitor sem fé, levando a democracia inútil para mais uma eleição qualquer.
Que venham os próximos porcos e que a praça do bairro São José das Palmeiras sobreviva à poluição de mais esse outubro de eleição de fichas marcadas, limpas pelas águas poluídas de um poder que corrompe os sonhos que nunca tive. Que venham os novos mágicos e que seus truques não desapareçam com a praça do bairro São José das Palmeiras, cansada desse dias de circo de eleições quaisquer. 

2 comentários:

  1. Meu poeta-amigo, até no lamento você é poético. Cá também estou com a alma despida de ilusões políticas. Sua praça tem palmeira onde não canta mais o Sabiá, pois diante de tanta poluição, perdeu a voz. Hoje marchei para a urna completamente derrotada, subjugada pela aberração que é a política brasileira e mundial também. Alguns meses são fatídicos para alguns países, nos E.U.A é setembro, para o Afeganistão talvez seja outubro, mas para mim, cidadão brasileira, outubro é o mes vermelho, o mes da vergonha nossa de cada dia. É OUTUBRO NEGRO, assim como no filme, é um ataque terrorista de políticos bandidos (salve alguns, que infelizmente ainda não conheço) e do nosso cancer reincidivo e agressivo.

    Bem, o mundo tem seu movimento ininterrupto, mas para ajudar a digerir tudo isso fiz um brigadeiro, quer um pouco rsrsrs, afinal de contas somos cidadãos-hienas, rimos de nossa própria desgaça.

    ResponderExcluir
  2. bom...não preciso dizer que suas palavras doloridas,fazem parte da minha dor também...!!Hoje cedo tinha duas mulheres na esquina fazendo sua lavagem cerebral em todos que passavam à caminho da escola para votar...Ela me abordou e perguntou se tinha candidato.disse que não sabia,então virei e fui ao encontro do voto nulo!!!Escutei no fundo essas duas simpaticas mulheres,dizerem que eu era mais um revoltado...bom segui em meu silencio e com a minha grande dor em saber que estamos vivendo mais um ano de politica corrosiva,mais um ano de manipulação e de pura tristeza!!Para mim hoje é dia de luto...por isso estou em meu casulo,buscando meus motivos de estar vivo!!!

    ResponderExcluir