quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Giz 2: Para aqueles Renatos que morrem em mim sem morrer

Renato Russo, em desenho
de Gabriel Henrique.
Veja mais desse desenhista em:
http://www.flickr.com/photos/gabrielhenriqi/

Hoje faz 16 anos sem Renato Russo e nunca vi um ídolo falecido tão vivo em mim. Faz muito tempo que o ouvi na primeira vez: eu tinha entre 10/11 anos; um amigo roqueiro precoce me emprestou uma fita das “Quatro estações”, da Legião Urbana, e aquele k7 mudou minha percepção de mundo – o lobisomem juvenil me intrigava, gostar de meninos e meninas era uma concepção de amor completamente inédita e inusitada para meus olhos infantis, ouvir os paradoxos de Camões com trechos do Coríntios em “Monte Castelo” deu um nó em minhas sensações e saber que eu precisava amar as pessoas como se não houvesse amanhã me acordou para o desespero lírico de abraçar o mundo como se fosse a última vez. E assim, ainda muito novo pra compreender da forma adequada todo aquele amor e desespero, as músicas de Renato Russo criaram ninho em minha árvore poética ainda imatura. Quando despertei para a poesia escrita, eis Renato Russo dormindo em minha arte; meu poemas têm muito dele, não se pode negar o que está mais que evidente (como se eu quisesse negar o que me faz tão bem e, pra ser honesto, só um pouquinho infeliz).
Por esses motivos, sempre faço uma homenagem a Renato Russo. Por esses motivos, continuo o “Giz” que Renato Russo iniciou. Que esse giz, essa arte nunca se acabe dentro de nós, amigos leitores. Legião Urbana Omnia Vincit, a Legião Urbana Sempre Vence! Arte sempre!

Giz 2
(Para aqueles Renatos que morrem em mim sem morrer)

E mesmo sem você
Parece que suas palavras desenhos
Vão indo bem...

Em toda calçada, eu vejo o seu sol de giz
Que a chuva de sua ausência não apagou
Queria até que pudesse ver
A sua música em mim
Viva
Confesso que um pouco infeliz
Mas infinita

E tudo bem, tudo bem...
Lá vem, lá vem
De novo
Aquela sua canção a me envolver!
Tudo bem, tudo bem...
Parece morto
Mas não vai morrer!
Tudo bem, tudo bem...
Acho que o infinito gosta de você!
Tudo bem, tudo bem...
Sim, e é de você que eu não me esquecerei...
Tudo bem, tudo bem...



3 comentários:

  1. Sabe uma das características que adoro em sua poesia Carlos, é o ritmo de mantra que você as vezes imprime. Ele fica remoendo em minha cabeça, e sabe do PIOR? Eu ADORO, é quase um alucinógeno. rsrsrsr Muito bom cara.

    A introdução que voce fez tá linda. Adorei a sugestão de uma árvore poética-genealógica (que massa hein). Caramba, eu vou ter o maior trabalho para montar a minha.

    Fiquei triste de lembrar que emprestei o cd Quatro estações e a pessoa nunca mais me devolveu (que ódiooooo). Uma das músicas que mais gosto é Daniel na cova dos leões, Angra do Reis, Soldados e todas as outras rsrsr. Muito gostoso ouvi-los cantar.

    Feliz dia das Crianças! kkkkk - lembremo-nos de nossas infâncias e adolescências.

    ResponderExcluir
  2. Matheus Francisco24 de julho de 2015 21:03

    Eu cresci ouvindo Renato Russo e Legião e gosto muuuito! Adoro Tempo Perdido e Pais e Filhos

    ResponderExcluir