domingo, 29 de julho de 2012

Solidões compartilhadas: O Quarto de voar de Raquel Leal


Hoje compartilho minhas solidões poéticas com a poetamiga valenciana Raquel Leal. Atualmente residente em Volta Redonda, conheci Raquel através da rede social facebook e, assim, começamos a trocar ideias líricas. No início, Raquel Leal mostrou-se receosa de mostrar seus poemas-pássaros para os olhos famintos de asas dos leitores, porém, com o tempo, à medida que as asas de seu lirismo cresciam, a poeta tomou coragem, libertou da gaiola do medo e da timidez os poemas-pássaros e resolveu nos apresentar o seu ‘quarto de voar’. Grande poeta, amante insaciável do bom uso das palavras, dona de um lirismo alado e brilhante, Raquel Leal declara-se ser muitas, e gostar de ser assim. “Não caibo em uma definição congelada, estática. Alimento minha alma com poesia, com música, com gentileza e alegria. Gosto do belo e preciso dele, preciso da arte, seja ela qual for. E eu tenho asas...”, declara a fodástica poetamiga.
E, agora, leitores, abram os olhos e voem, voem no fascinante quarto lírico de Raquel Leal:

Quarto de voar

Na penumbra da noite,
Dentro do meu quarto de dormir,
Sinto o conforto da chama da vela.
O reposteiro vazio faz com que anseie,
E meu querer já não é quietude.
Como dormir se meu pensamento voa alto?
Repenso as regras que uma moça direita deve seguir.
Aspiro coragem...
Convido-te a entrar e conhecer esse lugar sagrado e só meu.
- Entre sem medo, sou eu quem convida.
Esse é o meu mundo, imperfeito e confuso.
O aconchego do leito convida o olhar,
Quero que me vejas vendado
E assim ver-te-ei também, 
Pois a forma, a linha, os contornos
São meros artifícios efêmeros.
Meu querer é mais profundo.
Busco o calor - dos teus pensamentos
O doce sabor - de teus sentidos
Um toque surdo de tuas mãos - em minha alma.
Quando tocas minha alma percebo o equivoco,
Vendas limitam, são amarras do medo.
Retiro-as de ti e de mim,
Meus olhos pousam nos teus.
Tímida fito o quarto
Vestido de princesa, farda militar,
Desordem impecável, trajes ao chão.
Entre nós - há poesia.
Meus olhos emocionados enxergam os teus,
E os teus doces, mansos
Me dizem para repousar
Dentro do meu quarto de voar.

4 comentários:

  1. A pureza ofusca o desejo mas não o mata.
    Como pássaro precisa, necessita voar!
    Cálido.

    ResponderExcluir
  2. Muito consistente, forte e profundo.

    ResponderExcluir
  3. Me sinto no meu quarto ao lê-la.

    ResponderExcluir
  4. viva e deixe viver o que vive em ti querendo so viver .

    ResponderExcluir