quinta-feira, 14 de junho de 2012

Solidões compartilhadas: O riscoísmo de Alexandre Lisérgio Virabossa Fonseca

Lisérgio Virabossa, o 5.º beatle
Hoje compartilho minhas solidões poéticas com o renomado poeta Lisérgio Virabossa, heterônimo (espécie de 'fake' sublimamente artístico) do escritor historiador beatlemaníaco valenciano Alexandre Fonseca. 
Extremamente talentoso e sagaz, Alexandre Fonseca "Lisérgio Virabossa" é devoto de Shiva (quando não  incorpora o próprio deus hindu em Pessoa rs) e adora derramar uma boa dose de niilismo em chás da tarde no facebook (se você, por curiosidade, procurar a descrição no perfil do talentoso escritor encontrará a autodefinição mais marcante de todas que já leu: NADA (isso mesmo; numa época em que todos são alguma coisa de tudo, ele se define como Nada; quer mais totalidade que isso?). Em tempo: o poeta Lisérgio Virabossa participará do próximo "Sarau Solidões Coletivas in Bar Volume 3: O terceiro engradado - quando ninguém mais sabe quem realmente é", a ser realizado neste sábado, dia 16, às 17h, no Open Bar, em Valença/RJ. Deixemos de falácias e vamos ao riscoísmo do ilustre Virabossa (reparem que o próprio Alexandre Fonseca coloca aspas nos poemas escritos por sua persona lírica):


RISCOÍSMO

"Risco
Sobre a tabula rasa uma linha que desejo reta e contínua ao infinito dos multiversos edênicos

Rabisco
O mapa imaginário da vida que planejo altiva e inatingível feito o vôo alpínico do jovem pterodáctilo

Arisco
O lápis escapa da mão trêmula e traça desenhos erráticos de quanta em desvarios entrópicos

Pisco
Os olhos para o perigo sorrateiro que me observa ao longe sob óculos escuros de espiões do cinema

Chapisco
Versículos de areia em bíblias de paredes argilosas que a implacável musa da história um dia apagará

Arrisco
Penetrar as chamas que incendeiam as poltronas mais confortáveis das mansões burguesas

Prisco
É o tempo das memórias saudosistas de impérios morais e materiais carcomidos por escaravelhos sorridentes

Belisco
Os pés da revolução que haverá de tornar homens em deuses e deuses em árvores cheias de frutas vermelhas proibidas

Trisco
Posto que triscar intransitivo é semear desordem e transitivo é roçar os dedos no violão ou nos seios da amante

Cisco
As verdades do chão qual galo de briga que ignora o rival e ataca o senhor pois sabe que se há vida

Há risco"

Nenhum comentário:

Postar um comentário