terça-feira, 12 de junho de 2012

Solidões compartilhadas: Nayara Filgueira, uma poetisa enamorada

Hoje, no Dia dos Namorados, compartilho minhas solidões poéticas com um belo poema de amor de mais uma jovem aluna-talento da E. M. Alcino Francisco da Silva: a poetamiga teresopolitana Nayara Filgueira.
Pessoa extrovertida, dedicada à família e às pessoas que ela ama, Nayara ama fazer amizades novas e também adora construir poemas / letras de canções, inspiradas nas músicas que ouve e nos sentimentos que mexem consigo. Leia, com olhos amigos e líricos, uma das últimas produções desta versátil jovem escritora: 

Viver com e sem você


Amar você é tão bom e tão ruim...
Chega de sofrer,
Eu preciso lhe dizer
O que sinto por você;
É mais forte que eu.

Por que você me tocou
E me deixou em suas mãos;
O que você fez comigo?
Por que você me deixou tão obcecada por você?

Você me magoa e me fere...
Por que faz isso comigo?
Por que mexe comigo?
Será que é um castigo?

Você me iludiu, achei que você era diferente,
Um adulto e não um adolescente...
Você não parou para pensar
Que o que eu sentia jamais tinha sentido:
Nós éramos um só corpo e uma nova paixão;
Hoje tento esquecer, mas é difícil...

A saudade vai me machucar;
Pedi pra lua que você voltasse.
Ela me disse:
- Mas pra quê? Se ele só te faz sofrer?
Concordo com a lua, mas é tão duro encarar a vida
Lembrando de você a cada hora, minutos, segundos, milésimos...
O que mais dói é quando estou triste,
É todo momento que você não está aqui...

Acho que era melhor viver com você na ilusão
Que continuar vivendo nesse mundo tão imenso
Chamado solidão... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário