sexta-feira, 1 de junho de 2012

Poema de máscaras em homenagem ao baile a fantasias de nossas vidas

Hoje acontece, em Valença/RJ, o tradicional e super-movimentado "Baile a fantasias", evento muito acolhido pelas recentes gerações admiradoras da festa sem limites e sem consciência (não condeno a folia; mas sim a falta de consciência antes, durante e depois dela). Como a contemporaneidade é muito dada a um desfile de máscaras, deixo hoje o meu poema "Nós", publicado no meu terceiro livro "Note or not ser" (2001), pra lembrarmos um pouco do que somos, ou melhor, muito do que fingimos ser:


Nós


Nós somos professores
se fazendo de alunos.
Nós somos uma única certeza
e um milhão de mentiras.
Nós somos um baile de máscaras
em pleno 7 de setembro.
Nós somos autênticos
até quando mentimos.
Nós somos os marginais emergentes
da América do Tio Sam.


- Nós somos brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário