quinta-feira, 5 de abril de 2012

Poema titanomaníaco: 30 anos em minha cabeça dinossaura

Neste ano, a banda paulista Titãs comemora 30 anos de existência e muito rock'n roll. Um de seus grandes méritos é o de ter trazido maturidade ao seu próprio som e mudado os rumos do rock'n roll brasileiro, com o lançamento de terceiro álbum da banda, "Cabeça dinossauro", em 1986. "Cabeça dinossauro" garantiu o primeiro disco de ouro da banda e foi eleito pela revista Bizz como sendo o melhor álbum de pop rock nacional de todos os tempos, em 1997, quando os Titãs brilhavam mais uma vez com o álbum "Acústico MTV". 
Os próprios Titãs reconhecem o "Cabeça dinossauro" como um de seus álbuns mais marcantes (isso é declarado pelo guitarrista e escritor Toni Belloto em crônicas publicadas neste ano), tanto que, neste ano de comemorações de 30 anos de carreira, a banda realiza um show com nome homônimo ao do disco de 1986, onde o grupo executa o clássico álbum na íntegra e relembra seus grandes sucessos, como "Polícia", "AA UU", "Família", "Bichinhos escrotos", "Igreja", O que", "Estado violência", "Homem Primata" e tantos outros sucessos (das 13 faixas do álbum, apenas 2 não foram bem executadas nas rádios). 
A pedido de Paulo Rodrigues, locutor do Programa "Simplesmente rock" da radiovalenca.net, em homenagem aos 30 anos da banda Titãs, que estimulou musicalmente minha rebeldia adolescente (nem tanto) sem causa, dedicado ao meu amigo Alex Titãs, fã titanomaníaco-mor da 'melhor banda paulista de rock de todos os tempos' (e não da última semana rs), faço meu tributo poético ao álbum "Cabeça Dinossauro". Para a construção do tributo poético, relembrei, indiretamente, fatos ocorridos com a banda durante o processo de elaboração do disco (Arnaldo Antunes e Toni Belloto foram presos, nos finais de 1985, por porte de heroína, numa temporada de caça policial aos roqueiros brasileiros [por isso, meu eu lírico do poema-homenagem traz a forte sensação de prisão e de ser visto como bicho na sociedade contemporânea]). Também citei os esboços do pintor italiano Leonardo da Vinci, "Cabeça grotesca" e "A expressão de um homem urrando", usados, respectivamente, na contracapa e capa do "Cabeça Dinossauro". Além disso, cito, no conteúdo do poema-tributo, os nomes das canções do disco, e tento um certo experimentalismo neo-concretista em parte do texto, somado com crítica social, em homenagem ao estilo adotado pelos Titãs na época do "Cabeça Dinossauro".
Espero que os titanomaníacos perdoem a minha ousadia e gostem do poema-tributo... Jesus é um titã que versa livremente no país dos poetas (quem conhece Titãs, entende a paráfrase que fiz rs):

30 anos em minha cabeça dinossaura

30 anos e o tempo é o mesmo tempo
30 anos e o mesmo tormento:
Bichinhos escrotos permanecem
Na cozinha de meu desassossego
Corroendo os pratos de meus sentimentos

(AA UU! - sou um eu-nuco nu agonizando no fundo do apartamento)

Lá fora é o mesmo vazio que me preenche aqui dentro,
Lá fora é o mesmo frio, o mesmo descontentamento:
Cabeças dinossauros exibem suas panças de mamute
No meu facebook
E me marcam na foto como se eu fosse um deles
Espíritos de porco curtem e compartilham meu desapontamento

(Um homem urrando - sou eu marcado na foto do seu compartilhamento)

30 anos e o mesmo tempo escasso
30 anos e eu calado:
A Igreja silenciou meus lábios,
A polícia trancafiou meus braços,
A violência me deixou nesse Estado.

(Porrada! – sou homem primata analisado pelos monstros da faculdade)

Lá fora é a mesma selva que vegeta ao meu lado,
Lá fora é a mesma pedra, o mesmo Estado primário:
A família exibe o meu cérebro fraturado
Para as visitas de sábado
- Olhem como o capitalismo destruidor transformou meu filho
Num vampiro trabalhador!
As visitas amigas parabenizam meu corpo despedaçado...

(Cansaço... Minha cabeça grotesca paga as dívidas da sociedade
Pálido... Sou mais uma cabeça de gado no centro da fall-cidade)

30 anos e o mesmo quê sem resposta
30 anos e continuamos na mesma b...orda
Da encosta...
Esperando um Jesus sem glória no país da derrota... 


  

2 comentários:

  1. Simplesmente demais Carlos Bruno,simplesmente titânico! Valeu pela homenagem aos meus heróis da música e obrigado pela singela dedicatória.

    ResponderExcluir