quarta-feira, 14 de março de 2012

Punk poema: Lobopoeticotomia


Não esperava, mas aconteceu, súbito e fulminante como uma canção de Ramones; um, dois, três! Passeando à noite por São Caetano/SP, após o show da banda Dooelo que não aconteceu devido a uma forte chuva à tarde, Juliana e eu descobrimos sem querer (ai, ai, estranho nos surpreendermos desinformados num mundo que às vezes peca por excesso de tanta informação) que o Grito Rock estava rolando no Espaço Cultural Cidadão do Mundo e que haveria, como apresentação principal da noite, a banda punk hardcore Lobotomia. Assim como nossos ânimos se reacenderam (estávamos quase apáticos diante de um sábado de eventos fracassados), assistir ao show do Lobotomia também ressuscitou um velho ímpeto punk adolescente em mim (aquela vontade de socar o vento, xingar o governo, entortar a retidão retardada da nação, agitar a cabeça até lobotomizar aquela parte do cérebro que vive estagnada, acomodada na rotina servil). Lembrei do Lucimauro Leite, do tempo em que ouvíamos em fitinhas demo K-7 e LPs independentes as novidades das bandas alternativas. Essas fitas e LPs, adquiridas pelo Leite a preços módicos e muita procura, nos traziam a perspectiva de um futuro revoltado e mais bem refletido, menos otário e alienado para os absurdos do mundo; sim, havia esperança e paz na alma inquieta naquelas canções que nossas mães consideravam como meros gritos e/ou barulhos sem sentido; havia uma vida nova e harmônica em cada distorção. Ouvir Lobotomia, assisti-los ao vivo me ressuscitou tudo isso; renovou aquela veia punk adormecida em mim, ah, eu estava vivo de novo, o Lobotomia, com sua apresentação hardcore impecável me ressuscitou do marasmo da falta de sonhos, decretou sepultada aquela melancólica sensação de estagnação de nossas eternas revoltadas; é, eu estava vivo outra vez! Em homenagem ao Leite, a pessoa mais punk e consciente que já conheci, em homenagem ao Lobotomia, essa banda do caralho (e foda-se quem não gosta do meu palavreado), ofereço o punk poema que posto hoje. Espero que gostem (mas, se não gostarem também, desta vez, não serei educado – perdoem-me, mas... 1, 2, 3, vão sinceramente se foder!    

Lobopoeticotomia

Um, dois, três
Se vai andar pra trás
É melhor nem começar
Um, dois, três
Se o império contra-ataca
Com armas de silêncio
É melhor saber gritar
Um, dois, três
Se tem medo de falar
Cuidado pra não ruminar
Um, dois, três
Se nos querem de quatro
É melhor ser animal bravio
É melhor o coice preparar

Um, dois, três podres poderes
Querem nos oferecer
Jaulas enfeitadas com vista pro mar
Um, dois, três minutos em frente à tevê
E eles já têm você
Animal inofensivo nas grades comerciais
Um, dois, três e nocauteiam seu ser
Beija a lona do circo da estupidez
É melhor morrer pra sobreviver
É melhor fechar os olhos pra enxergar
É melhor deixar a tevê fora do ar

Um, dois, três
Se quer se conhecer
É melhor você pirar
Um, dois, três
Se a razão está com eles
É melhor anarquizar
É melhor não raciocinar
Um, dois, três
Se é pra padecer
É melhor se lobotomizar
Um, dois, três
Se quer se libertar
É melhor enlouquecer

Um, dois, três
São só gritos o que eles ouvem
Mal sabem que o som bem feito
Faz o teto de vidro deles ceder
Um, dois, três
E gritemos mais uma vez
Um, dois, três
E a rachadura vai crescer
Um, dois, três
Sempre, sem éter na mente
Um, dois, três
Conscientes, mais uma vez! 

5 comentários:

  1. Penso, Logo Desisto (Mas Eu Insisto)
    Lobotomia

    Penso em mudar a minha vida
    Sair deste buraco tão profundo
    Deixar de ser um pobre miserável
    Deixar de depender de todo mundo

    Problemas de montão você não pode é desistir
    Não dê uma de cusão e comece a sorrir
    O país não vai pra frente se você não insistir
    Mostrando o que se sente, não se pode é desistir!

    Vejo muita gente se foder
    Tentando agir sem saber se defender
    Muita burocracia, a dificuldade te supera
    Sua força de vontade ficou na fila de espera

    Logo desisto!
    Mas eu insisto!

    "Hey ho, let's go
    Hey ho, let's go
    Hey ho, let's go
    Hey ho, let's go"

    ResponderExcluir
  2. Valeu Carlos Bruno, muito boa sua lembrança!!!

    ResponderExcluir
  3. Vou falar bobagem, mas voce é o culpado. Rsrsrsrs. Poxa Carlos, tirou-me o prazer, pois gostei do poema. Preferia o prazer do "foder" com o poema. Agora o que não gosto é do estupro cotidiano e coletivo que sofro, até mesmo enquanto durmo, das instituições governamentais, nas pessoas dos três poderes.

    ResponderExcluir
  4. Caralho mano, adorei essa sua "resenha" toda ai parceiro, hahahaha.
    Sou o novo guitarrista do Lobotomia, mano, tenho 16 anos e quase chorei com isso que cê escreveu, hahaha
    da uma passada no meu facebook ae, valeus!!
    http://www.facebook.com/profile.php?id=100000050247904

    ResponderExcluir
  5. Caralho mano , muito foda sua "resenha" mesmo fudido pra caralho o negócio é mesmo deixar o punk que existe dentro de você sair e gritar e anarquizar e lobotomizar

    ResponderExcluir