quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

George Harrison e eu: No bar Capítulo 1 e meio (Bônus Track)


- Hey, o sol voltou!
- Sim, here comes the sun... – ele responde a minha inusitada euforia com um tom leve e suave.
Após isso, ele volta a tocar. Estranho e paradoxal: o som alegre que agora sai da guitarra de meu amigo me traz um triste reflexão:
- Pena que poucos percebem a beleza de seu retorno...
- Isso não é triste? – sua voz melodiosa apenas constata uma pergunta resposta, sem revolta nem pranto. Mais algumas notas escapam de sua guitarra.
- Às vezes, penso que tudo isso é simplesmente um sonho...
- Não, isso não é um sonho. – mais uma constatação, sem euforia ou mágoa. – O mundo é muito sério e, às vezes, um lugar muito triste. Por isso, quase todo bem que sentimos nos faz pensar que estamos sonhando. Na verdade, ao invés de sonho, a vida, muitas vezes, é apenas uma grande brincadeira; pena que, com o tempo, perdemos nossa infância... – E outra nota escorrega de seus dedos suavemente chorada para a alegria de meus ouvidos.
Sim, agora entendo: sonhos são abstratos demais pra nos tocarem tanto... John nos avisou antes de sair: esse tipo de sonho, abstrato demais, acabou. Peço mais uma dose.
- Ok, amigo, então vamos brincar!



Nenhum comentário:

Postar um comentário