segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Alunos-poetas que brilham: Romeus e Julietas premiados no Concurso de Poesias

Hoje o sol desponta no horizonte sem desapontar o professor-poeta que vos fala. Pelo segundo ano consecutivo, 5 alunos meus, da E. M. Alcino Francisco da Silva, de Teresópolis/RJ, foram premiados no Concurso Nacional de Poesias da Academia de Letras e Artes de Paranapuã 2011, no Rio de Janeiro/RJ, e a premiação será hoje à tarde (os poemas dos alunos-poetas, assim como o meu - que também classificou - estarão disponíveis no blog amanhã). No ano passado (2010), 5 alunos meus da E. M. Nadir Veiga Castanheira (escola que foi desativada, neste ano, após ser alagada durante as trágicas chuvas de janeiro) também brilharam neste mesmo concurso. São esses poemas, que fizeram parte do projeto Romeu e Julieta em 2010, que posto hoje, pra lembrar, com alegria, aos leitores que, graças aos deuses admiradores da arte, a poesia se multiplica!
Da esquerda pra direita: Flávia Féo (saudosa ex-diretora da E. M.  Nadir Veiga Castanheira,
Leonardo Sat'Anna (2.º Lugar), Helida (Menção Honrosa),
escritora carioca da Federeção de Letras do Rio de  Janeiro (foi mal, esqueci o nome dela, posto depois, ai ai),
Carlos Alberto (1.º Lugar), Melissa (3.º Lugar), Carlos Brunno (eu, professor-pateta de Português),
Franca de Assis Gomes (professora de inglês que apoiou o projeto) e Maria Luciana (bibliotecária que deu maior força e apoio ao projeto Romeu e Julieta)


Meu Romeu

Sou uma Julieta sem Romeu,
Sou uma Julieta sem erro meu,
Sem um erro só meu,
Um erro do nosso amor.

Sou uma Julieta sozinha,
Uma Julieta sem o meu Romeu,
Pois ainda não te encontrei:
- Onde tu estás, Romeu meu?

Meu Romeu, com teus olhos lindos a me olhar,
Tua boca molhada a me chamar,
Teu corpo a me esperar,
Tuas mãos a me tocar:
- Onde estás tu, meu Romeu?
Onde estás tu, meu erro,
Mas um erro mais lindo,
Como o nosso amor.
Helida da Silva, Menção Honrosa no Concurso Nacional de Poesias da ALAP, em 2010. 

Distante de você

Bem distante eu te vi
Parado à beira do caminho,
Cabisbaixo e sem direção,
Se sentindo tão sozinho,
Olhando para o céu
Os passarinhos a voar,
Com o som do vento no coração
A te falar: “Não fiques triste,
Porque eu sou teu ar,
Tua vida e teu luar."
Tatiana da Silva, Menção Especial no Concurso Nacional de Poesias da ALAP, em 2010.


Amor impossível

Trancada em meu quarto,
olho para o céu e vejo o meu Romeu nas estrelas,
e começo a dizer: Quem és tu, que,
ao pensar em ti, meu coração acelera?
Eu queria ser o vento para tu respirares,
eu queria ser um passarinho para em tua janela cantar,
eu queria ser o brilho do teu olhar,
queria ser a lágrima para o teu rosto molhar.
Pena que tudo isso será em vão,
pois meu coração se despedaçou
quando soube que é impossível ter o teu amor.
Melissa Cristina Lopes Arantes, 3.º Lugar (Medalha de bronze) no Concurso Nacional de Poesias da ALAP, em 2010.

Canção do amor de Romeu

Julieta tão bela,
Como uma borboleta amarela,
Quero te amar,
Mas teus pais não querem deixar.

O meu amor por ti
É imenso como o mar,
Acho que eu nasci
Para te amar.

É como show sem emoção,
Música sem som,
Livro sem letra,
Estojo sem caneta,
Sou eu sem você.
Leonardo Furtado Sant'Anna, 3.º Lugar (Medalha de Bronze) no Concurso Nacional de Poesias da ALAP, em 2010.

De Romeu a Julieta

Julieta, Julieta, oh, Julieta,
por que só consigo escrever o seu nome
quando pego na caneta?

Do nosso amor nasceu uma sobremesa
que retrata um pouco a sua beleza,
uma sobremesa meio melada,
um doce de queijo com goiabada.

Hamlet fez sucesso então
mas não mais que a nossa paixão.
Carlos Alberto Machado da Silva, 1.º Lugar (Medalha de Ouro) no Concurso Nacional de Poesias da ALAP, em 2010. 

3 comentários:

  1. Amei todos, mas fiquei com vontade de ir lá fora buscar meu Romeu, para comer nossa sobremesa (embora meu nome nao seja Julieta, mas pego emprestado.) "Sou uma Julieta sem Romeu" As rimas do primeiro poema tá ressoando em minha cabeça, oxente, meu Deus! Cadê meu bendito Romeu???????????????????? para ser meu erro, minha perdição. kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Carlos, qualquer dia desses faz um poema com essas palavras que aparecem nesse quadradinho (não sei o nome disso)uma sequencia aleatória muito bacana. fico esperando, é como a frase do biscoito da sorte. rsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Ah... é tão que legal que num mundo estranho como esse de hoje em dia, vc possa despertar o lirismo e a pureza do amor de Romeu e Julieta nos seus meninos e meninas!

    ResponderExcluir