sábado, 19 de novembro de 2011

Macho como uma flor: Ser e não ser homem o bastante


Em homenagem ao pretensioso Dia Internacional do Homem, comemorado neste sábado, dia 19 de novembro (rs coincidindo no calendário brasileiro com o Dia Nacional da mancada, comemorado na mesma data), posto um velho poema juvenil, retirado do meu segundo livro “Promessas desfeitas – Quando os sonhos morrem e o poeta sobrevive” (1997), desfragmenta e subverte aquilo que nossos pais consideravam e nos ensinavam como ideal para “ser ou não ser homem o bastante”:


Ser e não ser homem o bastante

Quando a vejo acompanhada
Me dá vontade de matá-la
Fico roxo, azul e verde
Convoco toda a força armada
Mas sou homem o bastante
Pra me acovardar.
Quando vejo alguém beijá-la
Me dá vontade de libertar
As lágrimas presas em meus olhos
Mas não sou homem o bastante
Pra chorar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário