sábado, 26 de novembro de 2011

George Harrison e eu: Isso não é triste?

Continuando a saga de poemas georgeharrisonianos. Agora a vítima de minhas incursões poéticas é mais um hit do álbum "All Things Must Pass": a canção "Isn't it a pity (version 1)", cuja (sub)versão se encaixa bem com a temperatura melancólica e úmida dos tempos chuvosos que tocam nossas terras:



Isso não é triste?

Isso não é triste?
Onde está a velha chama?
Nós a queimamos em várias partes
E não a mantemos bem.
Nós não tocamos o velho amor...
Ele não mais nos move;
Foge e ninguém o segue...
Ele ainda existe?

Algumas manhãs são longas,
As madrugadas também...
Sem sono, somos mortos vivos
Com a insônia de alguma chama
Que não queima há vários dias...
Os ais interrompem o teu sim,
Teu não, nossa cova rasa...
Este fim não é triste?

Isso não é triste?
Onde está a velha chama?
Nós a queimamos em fugacidades
E não a mantemos em ninguém.
Nós só tocamos o que nos foge;
Não somos mais seus seguidores,
Não te moves e o bem parte...
O velho amor existe?

Foge e ninguém o segue...
Isso não é triste?
Não te moves e o bem parte...
Esse hoje não é triste?

O nada existe
O nada em ti, em ti triste, triste...
O nada triste
Existe em ti, em mim triste, muito triste!

Nenhum comentário:

Postar um comentário