sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Clipoema: Quantas granadas

Posto hoje um clipe, produzido por mim, baseado no meu poema "Quantas granadas", de meu quarto livro "O último adeus (ou o primeiro pra sempre)". O poema, bastante juvenil - quase ritmado como uma letra de música -, foi inspirado na canção "Quase um segundo", de Paralamas do Sucesso, e nas difíceis experiências amorosas da adolescência. Chegou a ser musicado e ensaiado pela banda de rock valenciana Aríete, mas não houve registros de gravação da versão musical, pois o grupo, tempos depois, se desfez (quem sabe, o poema não recebe um registro musical, agora que a banda voltou? rs)  O vídeo é protagonizado por minha mão esquerda, com a qual escrevo meus poemas. A música instrumental utilizada na abertura e no final chama-se "Paradoxo do tempo" e foi composta e interpretada pelo músico valenciano Zé Ricardo.
Abaixo o poema inspirador e o clipoema citado:

Quantas granadas

Nos cantos do mundo
se escondem os verdadeiros cantos
do trovador.
Na análise fria do crítico
se esconde a face linda
de uma flor.
Nos meus gestos mudos
se esconde o jeito tímido
de um amor.

Eu queria fugir do seu lado mais frio
A noite vai chegar
e vou estar sozinho
Na cama, vou guardar os sonhos mais lindos
mas depois vou sangrar
acordar perdido
somente vivo...

Quantas granadas eu preciso
pra explodir o muro
que você criou?
Quantas granadas eu preciso
pra destruir o vício
que, pra mim, você se tornou?




Nenhum comentário:

Postar um comentário